Governo passa a ver rombo de R$ 787 bi nas contas públicas em 2020

Revisão feita pelo Ministério da Economia leva em conta uma projeção de queda de 4,7% do PIB neste ano

Até então, a previsão de rombo primário era de R$ 795,6 bi

Até então, a previsão de rombo primário era de R$ 795,6 bi

Geraldo Magela/Agência Senado

O Ministério da Economia atualizou nesta quarta-feira (22) sua estimativa para o déficit primário do governo central (Tesouro, Banco Central e Previdência) a R$ 787,45 bilhões em 2020, conforme relatório de receitas e despesas do terceiro bimestre.

O cálculo levou em conta uma projeção de queda do PIB (Produto Interno Bruto) de 4,7%, conforme divulgado pela Secretaria de Política Econômica na semana passada.

Leia mais: Presidente do BC diz que dados mostram recuperação econômica

Antes disso, a conta mais recente era de rombo primário de R$ 795,6 bilhões neste ano, ou 11,5% do PIB, mas feita com base em retração de 6,5% da atividade, retirada do boletim Focus à época.

No relatório do segundo bimestre, a expectativa era de um déficit de R$ 540,534 bilhões. Por conta do estado de calamidade pública, o governo não precisará cumprir neste ano a meta de déficit primário, de R$ 124,1 bilhões.

No relatório, o governo elevou as despesas primárias calculadas para o ano em R$ 229,301 bilhões, a R$ 1,983 trilhão, principalmente pelos créditos extraordinários adicionais para enfrentamento à crise do coronavírus, como os ligados à extensão por dois meses do auxílio emergencial. Para a receita líquida, a conta foi diminuída em R$ 17,615 bilhões, a R$ 1,195 trilhão.