Economia Juros do cartão de crédito sobem e alcançam 378,76% ao ano em novembro

Juros do cartão de crédito sobem e alcançam 378,76% ao ano em novembro

Taxas cobradas dos consumidores e das empresas são as maiores desde o início de 2009

  • Economia | Do R7

Inflação, desemprego, queda da renda, baixo crescimento econômico e expectativa negativa para 2016 afetam taxas de juros

Inflação, desemprego, queda da renda, baixo crescimento econômico e expectativa negativa para 2016 afetam taxas de juros

Joe Raedle/Getty Images News

As taxas de juros das operações de crédito subiram mais uma vez no mês passado. Essa foi a 11ª elevação no ano e 14ª elevação consecutiva. Os juros do cartão de crédito para os consumidores subiu de 368,27% no acumulado de 12 meses em outubro para 378,76% no acumulado em novembro. Já o cheque-especial foi de 226,39% para 233,56% na mesma comparação.

De acordo com o diretor executivo de estudos e pesquisas econômicas da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade), Miguel José Ribeiro de Oliveira, as elevações podem ser atribuídas aos diversos fatores.

— O cenário econômico aumenta o risco do crescimento nos índices de inadimplência. Esse momento se baseia no fato de os índices de inflação estarem mais elevados, haver aumento de impostos e juros maiores, o que reduz a renda das famílias. O baixo crescimento econômico deve impactar no aumento dos índices de desemprego. Tudo isto somado e o fato de as expectativas para 2016 serem igualmente negativas quanto a todos esses fatores levam as instituições financeiras a aumentarem suas taxas de juros para compensar prováveis perdas com a elevação da inadimplência.

Além disso, Oliveira aponta o aumento das taxas de juros futuros por conta da turbulência política e econômica como mais um fator que influencia as taxas cobradas dos consumidores e das empresas. Agora, essas taxas são as maiores desde o início de 2009.

Leia mais sobre Economia e ajuste suas contas

R7 Play: assista à Record onde e quando quiser

Consumidor

Das seis linhas de crédito ao consumidor pesquisadas pela Anefac, todas tiveram suas taxas de juros elevadas em novembro (juros do comércio, cartão de crédito rotativo, cheque especial, CDC-bancos-financiamento de veículos, empréstimo pessoal-bancos e empréstimo pessoal-financeiras).

A taxa de juros média geral para pessoa física apresentou uma elevação de 0,13 ponto percentual no mês (3,41 pontos percentuais no ano) correspondente a uma elevação de 1,78% no mês (2,57% em 12 meses) passando a mesma de 7,30% ao mês (132,91% ao ano) em outubro de 2015 para 7,43% ao mês (136,32% ao ano) em novembro de 2015, sendo esta a maior taxa de juros desde fevereiro de 2009.

Empresas

Das três linhas de crédito pesquisadas, todas foram elevadas no mês. A taxa de juros média geral para as empresas apresentou uma elevação de 0,06 ponto percentual no mês (1,14 ponto percentual em doze meses) correspondente a uma alta de 1,44% no mês (1,81% em doze meses) passando de 4,16% ao mês (63,08% ao ano) em outubro de 2015 para 4,22% ao mês (64,22% ao ano) em novembro de 2015, sendo esta a maior taxa de juros desde março de 2009.

Taxa de juros x Selic

Considerando todas as elevações da taxa básica de juros (Selic) promovidas pelo Banco Central desde março de 2013, tivemos neste período (março de 2013 a novembro de 2015) uma elevação da Selic de 7 pontos percentuais (elevação de 96,55%). O índice passou de 7,25% ao ano em janeiro de 2013 para 14,25% ao ano em novembro de 2015.

Neste período, a taxa de juros média para pessoa física apresentou uma elevação de 48,35 pontos percentuais (elevação de 54,96%) de 87,97% ao ano em março de 2013 para 136,32% ao ano em novembro de 2015.

Nas operações de crédito para pessoa jurídica houve uma elevação de 20,64 pontos percentuais (elevação de 47,36%) de 43,58% ao ano em março de 2013 para 64,22% ao ano em novembro de 2015.

Diante do cenário econômico atual que aumenta o risco de elevação dos índices de inadimplência a tendência é de que as taxas de juros das operações de crédito voltem a ser elevadas nos próximos meses.

Últimas