Guerra Israel x Hamas

Economia Petrobras diz que buscará manter preços dos combustíveis "mais ou menos estáveis"

Petrobras diz que buscará manter preços dos combustíveis "mais ou menos estáveis"

Presidente da estatal prevê problemas no mercado internacional por causa do conflito entre Hamas e Israel

Reuters

Resumindo a Notícia

  • Petrobras usa política de preços para estabilidade diante da crise Israel-Hamas.
  • "Fatores brasileiros" manterão preços de combustíveis estáveis, afirma presidente.
  • Tensões em Israel aumentam preço do petróleo em 4%; perspectiva incerta.
  • Exploração na Margem Equatorial pode contribuir para Fundo Amazônia, diz Prates.
Estatal anunciou fim da paridade internacional em março

Estatal anunciou fim da paridade internacional em março

Edu Garcia/R7 - 03.03.2023

A atual política de preços da Petrobras deverá mitigar um provável aumento da volatilidade de preços do petróleo e variações especulativas em razão da guerra entre Israel e Hamas, disse nesta segunda-feira (9) o presidente da companhia, Jean Paul Prates.

A estatal vai usar "fatores brasileiros" para manter os preços de combustíveis no mercado interno "mais ou menos estáveis", disse ele.

"Isso vai mostrar como está dando certo a política atual de preços da Petrobras, ela deve mitigar esses efeitos", disse o executivo a jornalistas em evento organizado pela Câmara de Comércio Noruega e Brasil, pelo Innovation Norway e pelo Consulado Geral da Noruega no Rio de Janeiro.

· Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu Whatsapp
· Compartilhe esta notícia no WhatsApp
· Compartilhe esta notícia no Telegram

O presidente da Petrobras avaliou que a guerra instaurada no sábado é um "evento grave" e disse que há no momento análises díspares sobre o futuro disso.

"Nas próximas semanas não deve haver solução", disse Prates, acrescentando que, embora Israel não seja um grande produtor de petróleo, deve haver "muita especulação" sobre os efeitos do conflito sobre os grandes produtores.

Os preços do petróleo subiam perto de 4% nesta segunda-feira, à medida que os confrontos entre Israel e o Hamas provocavam temores de um conflito mais amplo no Oriente Médio.

Exploração da Amazônia

Em comentário sobre a exploração de petróleo na Margem Equatorial, Prates defendeu que a atividade poderia ser mais uma fonte de recursos do Fundo Amazônia, o que exigiria mudanças legislativas, e disse que outras petrolíferas podem ser parceiras da Petrobras na região.

O Ibama emitiu neste mês uma licença ambiental para que a Petrobras realize duas perfurações de poços de petróleo e gás em águas profundas da Bacia Potiguar, representando um avanço exploratório em uma área considerada ambientalmente sensível.

Questionado sobre o potencial de reservas de petróleo na Margem Equatorial, Prates disse que não poderia confirmar volumes estimados antes de realizar as perfurações.

No mês passado, o ministro Alexandre Silveira afirmou que estudos internos da Petrobras mostram que um único bloco na Margem Equatorial, na região amazônica do Amapá, pode conter reservas de mais de 5,6 bilhões de barris de petróleo.

Veja fotos do terceiro dia de conflito entre Israel e Palestina

Últimas