Economia Preços de remédios para hospitais caem pelo terceiro mês seguido

Preços de remédios para hospitais caem pelo terceiro mês seguido

Recuo em índice da Fipe/USP coincide com melhora da pandemia. Acumulado em 2021, porém, registra quase 10% de alta

  • Economia | Sara Santos, do R7*

Índice da Fipe para medir evolução do preço de medicamentos para hospitais vem perdendo ritmo

Índice da Fipe para medir evolução do preço de medicamentos para hospitais vem perdendo ritmo

Divulgação

O preço de medicamentos para hospitais recuou 2,29% em agosto, conforme dados divulgados nesta segunda-feira (13) pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) da USP (Universidade de São Paulo). É a terceira queda consecutiva do indicador. A desaceleração no valor dos remédios coincide com a melhora nos indicadores de contaminação, internação e mortes por causa da pandemia de covid-19.

Mas apesar da sequência de baixas, o valor dos medicamentos acumula ganho de 9,93% nos últimos 12 meses e já saltou 7,85% entre janeiro e agosto deste ano.

De acordo com as as informações apresentadas pelo IPM-H (Índice de Preços de Medicamentos para Hospitais), a queda de preços no mês de agosto foi guiada pelos remédios para o aparelho  cardiovascular (-9,91%), sistema nervoso (-8,34%) e sistema musculoesquelético (-5,97%).

Também ficaram mais em conta medicamentos hospitalares para preparos hormonais (-4,84%), anti-infecciosos gerais para uso sistêmico (-3,57%), aparelho digestivo/metabolismo (-2,29%), entre outros, diz o estudo.

Entram na lista desses grupos medicamentos utilizados pelos hospitais em casos graves relacionados à covid-19, como propofol (anestésico), fentanila (analgésico) e omeprazol (distúrbios gastrointestinais).

No comparativo com outros índices de preço, a variação mensal do IPM-H também foi inferior ao comportamento do IPCA/IBGE (inflação oficial) em agosto (+0,87%), bem como a inflação calculada pelo IGP-M/FGV (inflação do aluguel) no mesmo período (+0,66%).

Além disso, a diminuição captada pelo índice de preço de medicamentos para hospitais também contrasta com a variação positiva com a taxa média de câmbio no mês (+1,84%).

Arte/R7

Sobre a pesquisa

Os pesquisadores ressaltam que o IPM-H não mensura o comportamento dos preços de medicamentos em farmácias, isto é, nos preços ao consumidor final (segmento varejo).

Além disso, o IPM-H não é uma medida de variação dos custos dos hospitais e/ou planos de saúde, que envolvem também gastos com equipamentos, procedimentos, materiais, recursos humanos e protocolos de tratamento/atendimento.

Reprodução/Fipe

O índice é feito com base em dados de transações realizadas por meio da plataforma Bionexo desde janeiro de 2015.

* Estagiária do R7, sob supervisão de Ulisses de Oliveira

Últimas