Produção industrial sobe 0,9% em janeiro ante dezembro, afirma IBGE

Entre as atividades pesquisadas, a influência positiva mais importantes foi do setor de máquinas e equipamentos, com avanço de 11,5%

Três das quatro grandes categorias econômicas registraram avanço

Três das quatro grandes categorias econômicas registraram avanço

Agência Brasil

A produção industrial subiu 0,9% em janeiro ante dezembro, na série com ajuste sazonal, divulgou nesta terça-feira (10) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O resultado veio dentro das expectativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, do sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, que esperavam desde uma queda de 0,5% a avanço de 1,9%, e ficou pouco acima da mediana positiva de 0,8%.

Em relação a janeiro de 2019, a produção caiu 0,9% e veio pouco melhor que a mediana negativa de 1,0%. Nessa comparação, sem ajuste, as estimativas variavam de uma queda de 2,2% a alta de 0 4%. A indústria acumula queda de 0,9% no ano de 2020. Em 12 meses, a produção acumula queda de 1,0%.

Avanço em várias áreas

Na expansão de 0,9% da atividade industrial na passagem de dezembro de 2019 para janeiro de 2020, houve altas em três das quatro grandes categorias econômicas e 17 dos 26 ramos pesquisados. Entre as atividades, as influências positivas mais importantes foram de máquinas e equipamentos (11,5%), veículos automotores, reboques e carrocerias (4,0%), metalurgia (6,1%), produtos alimentícios (1,6%) e coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (2,3%).

Com exceção da última atividade, que teve seu terceiro resultado positivo consecutivo e acumulou alta de 8,8% nesse período, as demais haviam recuado no mês anterior: -9,1%, -5,0%, -2,1% e -0,5%, respectivamente.

Outras contribuições positivas relevantes vieram de produtos farmoquímicos e farmacêuticos (6,2%), de artefatos de couro, artigos para viagem e calçados (6,5%), de outros produtos químicos (1,7%), de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (3,0%), de celulose, papel e produtos de papel (1,6%) e de produtos de minerais não-metálicos (1,8%).