Decotelli atualiza currículo e diz que foi ministro de 25 a 30 de junho

Professor foi nomeado por Bolsonaro, mas não tomou posse. Ele informa em seu resumo profissional que chefiou o MEC por seis dias

O professor Carlos Alberto Decotelli da Silva

O professor Carlos Alberto Decotelli da Silva

Marcos Corrêa/PR - 25.06.2020

O professor Carlos Alberto Decotelli da Silva atualizou seu currículo na plataforma Lattes, do CNPq (Centro Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnologia) e incluiu a informação de que foi ministro da Educação entre os dias 25 e 30 de junho.

Ele foi nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro no dia 25, e em seguida seu currículo profissional virou alvo de polêmica. O reitor da Universidade de Rosário, na Argentina, negou que o professor tivesse certificado de doutorado pela instituição, e a Universidade de Wuppertal, na Alemanha, forneceu informação semelhante em relação ao pós-doutorado que Decotelli informava ter.

Além disso, a FGV (Fundação Getúlio Vargas) divulgou que investigaria suposto plágio em sua tese de mestrado e que ele não atuou como professor fixo, informações que foram negadas por Decotelli.

Carlos Decotelli deixa Ministério da Educação após falhas no currículo

No dia em que tomaria posse, em 30 de junho, o professor enviou uma carta ao presidente Jair Bolsonaro pedindo a saída do cargo. Para seu lugar, o presidente poderá nomear o secretário de Educação do Paraná, Renato Feder.

A informação de que Decotelli atuou por cinco dias no MEC também pode ser evantualmente contestada. A nomeação chegou a ser publicada em Diário Oficial da União, mas a Lei 8.112 prevê que a investidura em cargos só ocorre com a posse.