Educação Em mais uma polêmica, Veléz Rodríguez nega ditadura no Brasil

Em mais uma polêmica, Veléz Rodríguez nega ditadura no Brasil

Ministro da Educação diz que não houve golpe militar em 1964 e que os livros didáticos devem ser revistos e terão "visão mais ampla da história"

Ministro da Educação nega ditadura e diz que mudará os livros didáticos

Veléz Rodríguez nega que houve ditadura no Brasil

Veléz Rodríguez nega que houve ditadura no Brasil

MATEUS BONOMI/ AGIF/ESTADÃO CONTEÚDO - 27.3,2019

O Ministro da Educação, Ricardo Veléz Rodríguez, informou que os livros didáticos devem ser revistos e terão "uma visão mais ampla da história". O ministro também negou a ditadura militar no Brasil.

Apesar de pressões e pedidos de renúncia, Vélez diz que fica no cargo

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, na quarta-feira (3), o ministro afirmou que não houve um golpe militar em 1964. "A história brasileira mostra que o 31 de março de 1964 foi uma decisão soberana da sociedade brasileira. Quem colocou o presidente Castelo Branco no poder não foram os quartéis", declarou.

Veléz definiu o regime como "democrático de força, porque era necessário nesse momento". 

Para o ministro, cabe ao MEC promover "mudanças progressivas nos livros didáticos, na medida que seja resgatada uma versão da história mais ampla".

E completou: "O papel do MEC é garantir a regular distribuição do livro didático e preparar o livro didático de forma tal que as crianças possam ter a ideia verídica, real, do que foi a sua história."

Questionado sobre uma possível intervenção no Ministério, uma vez que o número dois da pasta é um militar de alta patente, o tenente brigadeiro Ricardo Machado Vieira, Veléz afirmou: "Não é intervenção branca, é colaboração fraterna e efetiva. E o sr. Brigadeiro é uma pessoa que trabalha na equipe. Valorizo muito a sua performance pelos cargos que ocupou na Aeronáutica, no Ministério da Defesa. E eu acho que, com ele, terei um colaborador fantástico na integração desta equipe"