Educação Especialista dá dicas para aproveitar a Black Friday sem fazer dívida; confira

Especialista dá dicas para aproveitar a Black Friday sem fazer dívida; confira

Ser crítico de si pode evitar compra por impulso

Para a coach de finanças Zaíra Vasconcelos, investimento nos estudos não deve ser cortado.

Para a coach de finanças Zaíra Vasconcelos, investimento nos estudos não deve ser cortado.

Edgard Chaves/Divulgação

O mês de novembro tem dois grandes momentos esperados: a primeira parcela do 13º salário, normalmente paga nesse período, e a Black Friday. Mas todo cuidado é pouco para não acabar fazendo investimentos que trarão dor de cabeça. Para não cair em tentação e fazer dívida desnecessária, é preciso assumir o controle das próprias finanças.

A dona de casa Sonia de Oliveira, 48 anos, há meses monitora os preços de uma máquina de lavar e, por acaso ou coincidência, sua máquina lhe deixou na mão no começo desse mês. Agora comprar outra virou urgência. Para isso, vai usar o 13º salário e acredita na tentativa de fazer a compra sem comprometer o orçamento. “Eu estava aguentando com a máquina velhinha, mas ela parou de centrifugar e não vale a pena pagar para consertar. Como eu já estava querendo uma nova, vou esperar o décimo (terceiro salário) para comprar à vista. Sem máquina eu não fico, não tenho força para lavar na mão e torcer as roupas”, explica.

No ponto de vista da coach de finanças Zaíra Vasconcelos, ser crítico da própria compra é um dos primeiros passos para perceber se está agindo por impulso ou, de fato, por necessidade. “Seja crítico de si mesmo e responda a perguntas como: “preciso mesmo disso?”; “isso é prioridade?”; “estou comprando por impulso?”, pontua.

Para Zaíra, um investimento que não deve ser cortado é nos estudos. “Não tem maior investimento que aquele que você faz em você mesmo, na sua educação. É a formação acadêmica que vai abrir portas para as maiores e melhores oportunidades de crescimento. A educação é o melhor caminho para realizar sonhos”, defende.

A especialista lembra que, mesmo em situações financeiras delicadas, existem soluções para continuar com os estudos. “Parcelar os débitos com as instituições de ensino e pesquisar programas de apoio, que ofertam bolsas de estudo podem ser um caminho. Lembrando que será necessário cortar despesas e priorizar o pagamento das mensalidades atrasadas quando possível”, sinaliza.  Assim, o momento é oportuno, inclusive, para aproveitar a Black Friday da educação e fazer o curso sonhado com desconto nas mensalidades.

Zaíra, que é empresária, mestre em Administração Profissional, coach de finanças, consultora e mentora de líderes, dá dicas para quem precisa organizar as finanças mas não sabe por onde começar. Confira!

1. Entenda que poupar não é guardar dinheiro numa caderneta de poupança; é investir em algo que traga retorno e ajude a aumentar sua renda.

2. Priorize o pagamento dos acordos com a economia que fará. Por exemplo: se você tem mil reais de receita e R$1.200 de despesa, o primeiro ajuste a fazer é reduzir seu gasto mensal para adequar a sua receita mensal. Depois, faça novo ajuste para que sobre. Então, ao invés de gastar mil, gaste R$800. Dos R$200 que sobrar, pegue R$100 e aplique e os outros R$100 reserve para quitação da dívida parcelada.

3. Se tiver conta atrasada, faça levantamento da dívida e negocie com os credores. Priorize a quitação de débitos em cartões de crédito e cheque especial, com juros mais elevados. O que for possível, negocie a longo prazo em condições mais favoráveis.

4. Economize, poupe, restrinja seu consumo ao necessário. Guarde 50% das economias e use os outros 50% para quitar débitos.

Fonte: Agência Educa Mais Brasil

Últimas