Menina de 12 anos 'espalha' livros por cidade do interior da Bahia

Clara Beatriz Dourado se inspirou em um projeto que viu em Salvador para realizar o sonho de tornar a leitura acessível a todas as pessoas

Clara Beatriz segura o livro que inspirou a criação do projeto das casinhas de livros

Clara Beatriz segura o livro que inspirou a criação do projeto das casinhas de livros

Reprodução: Instagram

Clara Beatriz Dourado, 12 anos, tem um sonho: tornar a leitura acessível a todos, e assim contribuir para uma sociedade mais justa e inclusiva. Há cerca de dois anos, ela deu o primeiro passo e criou uma casinha de livros, instalada na praça Requintes, em Irecê, na Bahia, cidade onde reside. Hoje, já são 7 casinhas, por onde já passaram mais de 6 mil livros.

Tudo começou em 2017, quando Clara avistou uma casinha de livros durante uma viagem a Salvador. "Naquele momento, parei e refleti sobre como aqui na minha cidade não tinha nenhuma ação de incentivo à leitura", lembra.

Um ano depois, a menina viu sua ideia finalmente ganhar forma. "Demorei muito tempo para convencer meus pais. Eles falavam que não daria certo, que as pessoas iriam vandalizar. Mas ao longo do tempo, eles foram entendendo e resolveram me dar apoio." A família, então, encomendou a primeira casinha em uma madeireira da cidade, e assim nasceu o projeto "Casinha de Livros".

A proposta é que a pessoa escolha um livro, leve para casa – ou leia na própria praça – e após a conclusão da leitura, retorne à casinha para devolvê-lo e leve outro para contribuir. "Meu objetivo é fazer os livros circularem e torná-los mais acessíveis. Por esse motivo, as casinhas ficam em praças públicas da cidade."

Desde o início do projeto, Clara já recebeu muitos retornos positivos. "Recebo muitas mensagens. Às vezes, vou até as casinhas e converso com as pessoas. Ao longo desses dois anos, tive a oportunidade de conhecer muita gente diferente."

Valdiclea Silva, líder de uma comunidade quilombola de Lagoa das Batatas, em Ibititá, na Bahia, é uma delas. "Ela entrou em contato comigo e disse que onde mora, há muita dificuldade de acesso à leitura. Após algumas conversas, resolvemos inaugurar uma casinha por lá."

Diferentemente das demais casinhas, que se sustentam por meio de doações, a casinha quilombola nasceu a partir de uma "vaquinha" na internet. "Com isso, conseguimos comprar muitos livros sobre a história dos quilombolas no Brasil. Vandiclea se emocionou. Foi uma experiência inesquecível."

Vandiclea e sua filha, Dandara

Vandiclea e sua filha, Dandara

Arquivo pessoal

Atualmente, mais duas casinhas estão prestes a ser instaladas – desta vez, na Ilha de Marajó, no Pará. Aos poucos, ela pretende expandir o projeto para todo o Brasil.

"Meus pais sempre me incentivaram a ter gosto pela leitura, e é gratificante poder fazer isso por outras pessoas", afirma Clara. Além da coletânea completa de Harry Potter, a garota já leu obras mais densas.

"Gosto de ler livros sobre a Segunda Guerra Mundial, como Diário de Anne Frank, Os meninos que enganavam os nazistas e O menino do pijama listrado”, diz.

"O menino do pijama listrado" é um dos livros favoritos de Clara

"O menino do pijama listrado" é um dos livros favoritos de Clara

Reprodução: Instagram

Para ela, é difícil escolher um preferido. "Gosto muito do livro que conta a história da Malala [jovem paquistanesa que se tornou símbolo da luta das mulheres pelo direito à educação]. Inclusive, me inspirei nele para realizar o projeto."

"Outro que eu adoro é Mulheres incríveis que mudaram o mundo. Nele, me chamou a atenção a história de uma mulher que ajudou a criar o primeiro computador de todos os tempos. Eu não sabia disso, e acho que muita gente também não", completa.

Clara enxerga a importância da leitura em muitos níveis. "Você aprende a falar melhor, escrever melhor, conhece novas palavras, estimula a imaginação, e além de tudo, se diverte."

Na esperança de ajudar ainda mais pessoas, ela compartilha dicas valiosas para aqueles que querem desenvolver o hábito de ler.

“Da mesma forma como em um filme ou série, você tem que encontrar um gênero com o qual se identifique. Também é importante ler o quanto se sentir à vontade, e claro, nunca por obrigação – como algumas escolas propõem. Por último, vale estabelecer algumas metas, como ler dez páginas por dia, e aos poucos, ir aumentando. Grandes objetivos são alcançados com pequenos esforços diários."

Doações

Interessados podem doar livros em bom estado indicados para todas as idades. Para residentes de Irecê, a doação pode ser feita diretamente na casinha, que fica aberta 24 horas por dia. Já aqueles que moram fora da cidade podem entrar em contato pelo perfil do projeto no Instagram.

*Estagiária do R7 sob supervisão de Karla Dunder