Educação "Pais helicópteros" atrapalham a carreira profissional dos filhos

"Pais helicópteros" atrapalham a carreira profissional dos filhos

Jovens precisam desenvolver a capacidade de tomar decisão e ter responsabilidade para conseguir um lugar no mercado de trabalho

Pais protetores atrapalham carreira dos filhos

Jovens precisam ter autonomia no mercado de trabalho

Jovens precisam ter autonomia no mercado de trabalho

Pixabay

"Pais helicópteros" são aqueles que ficam rodeando os filhos todo o tempo e ultrapassam os limites da delicada linha que separa a educação da proteção.

O resultado é que esses pais superprotetores estão criando uma geração insegura, despreparada para os desafios da vida real e os reflexos podem ser sentidos no mercado de trabalho.

Leia mais: Como ajudar seu filho a ser uma criança mais inteligente

“Não é raro ver pais acompanharem os filhos nas entrevistas de emprego. Já pegamos currículos elaborados pelos familiares, sem contar que muitos direcionam a carreira dos filhos”, observa Eduardo Migliano, co-fundador da 99 Jobs. “Em palestras em universidades percebo que muitos estudantes estão ali para atender aos anseios da família, não escolheram o próprio caminho.”

Leia mais: Ensino bilíngue: moda passageira ou investimento necessário?

Vivemos um paradoxo. De um lado, pais investindo ao máximo na formação dos filhos — que estão, cada vez mais, com a agenda lotada de cursos e atividades extras. De outro, filhos sem autonomia e que não sabem lidar com frustrações. “A criança deve ser educada para saber fazer suas escolhas e, ao mesmo tempo, saber ouvir não e ter limites”, explica Beatriz Campos, psicóloga da Telavita, plataforma de saúde digital.

Um dos impactos desse tipo de educação para os jovens é a dificuldade de relacionamento no ambiente de trabalho. “Essa dependência gera dificuldades no momento de tomar decisões ou mesmo saber ouvir críticas”, avalia Beatriz.

Karin Kenzler, psicóloga e orientadora educacional do Colégio Humboldt, a educação para o mercado de trabalho começa na infância. “É deixar a criança fazer algo sozinha, mesmo que demore ou faça bagunça. Com isso, os adultos transmitem a ideia de que ela, a criança, é capaz.”

O filho esqueceu a tarefa em casa? Não leve correndo para a escola. “Faz parte da vida lidar com as frustrações, aprendemos com as tentativas e com os erros,” diz Karin. O mesmo vale para os adolescentes, que precisam ter responsabilidade e aprender a pensar sozinhos.

Nesta fase, cabe aos pais ter paciência e muito diálogo. “Eles estão na fase de desenvolver opinião própria e a refletir sobre suas atitudes, a família deve ensiná-los a ponderar e a argumentar", explica. "Melhor que seu filho diga que não foi a festa porque precisa acordar cedo no dia seguinte a dizer que não foi porque a mãe não deixou.”