Policiais e bombeiros passam por treinamento para atuar em escolas

Ministério da Educação vai capacitar 95 profissionais, representantes de 12 estados brasileiros, para trabalhar em unidades de ensino cívico-militares

Projeto do governo federal será implantando em formato piloto

Projeto do governo federal será implantando em formato piloto

Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Ministério da Educação vai capacitar, entre policiais e bombeiros, 95 militares — representantes de 12 estados brasileiros — para trabalhar em escolas cívico-militares. O treinamento acontecerá a partir de terça-feira (11) e vai até sexta-feira (14), em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

A edição piloto do programa conta com 54 escolas participantes. No modelo “Repasse de recursos”, 27 unidades de ensino contarão com efetivos das corporações estaduais. Neste caso, o MEC vai repassar dinheiro aos governos locais, que, no entanto, terão o compromisso de investir em infraestrutura, materiais escolares, uniformes e reformas.

Outras 27 vão compor o modelo "Disponibilização de pessoal". A pasta vai repassar recursos para o Ministério da Defesa, que ficará responsável por pagar militares da reserva das Forças Armadas que atuarão no programa do governo federal.

De acordo com o Ministério da Educação, os profissionais militares da reserva vão receber 30% do salário que recebiam antes da aposentadoria. A pasta lembra, ainda, que em abril deve acontecer uma terceira etapa de treinamento.

Projeto

As escolas cívico-militares começam a ser implantadas, em formato piloto, a partir desse ano. O Pecim (Plano Nacional das Escolas Cívico-Militares) foi lançado pelo governo federal em setembro do ano passado. O objetivo do governo federal é promover a melhoria na qualidade do ensino na educação básica.

Os alunos deverão seguir uma série de regras de comportamento e vestimenta, que incluem, entre outras coisas, padrões de apresentação específicos para meninos e meninas. As informações constam no Manual elaborado pela pasta e que foi antecipado pela Fiquem Sabendo, agência de dados especializada na Lei de Acesso à Informação.