Educação Unifesp abre 48 vagas de graduação para refugiados e apátridas

Unifesp abre 48 vagas de graduação para refugiados e apátridas

Pessoas com visto humanitário também podem participar do processo seletivo gratuito; as inscrições vão até 29 de novembro

  • Educação | Da Agência Brasil

Resumindo a Notícia
  • A Universidade Federal de São Paulo abriu um processo seletivo para apátridas e refugiados

  • As inscrições vão até o dia 29 de novembro

  • São 48 vagas para os mais diversos cursos, como ciências sociais e fisioterapia

  • A prova será realizada em 18 de janeiro de 2023

Prova será aplicada no dia 18 de janeiro de 2023

Prova será aplicada no dia 18 de janeiro de 2023

Freepik

Continuam abertas até o dia 29 de novembro as inscrições para refugiados, apátridas e pessoas com visto humanitário que desejem cursar uma graduação na Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

Ao todo, são 48 vagas para cursos como biomedicina, pedagogia, administração, direito, relações internacionais, ciências sociais, nutrição e fisioterapia, entre outros. No edital, podem ser conferidos os cursos e o número de vagas disponíveis. O processo seletivo é gratuito.

As vagas estão distribuídas nos campi Baixada Santista, Diadema, Guarulhos, Osasco, São Paulo, Reitoria e Zona Leste. No dia 14 de dezembro, às 16h, no site da Unifesp, serão divulgadas as inscrições habilitadas para a fase de provas. Não serão aceitas candidaturas de pessoas que já tiverem graduação em instituição brasileira de ensino superior, pública ou privada.

Os participantes devem ter o reconhecimento legal de sua condição pelo governo brasileiro. De acordo com a Acnur (Agência da Organização das Nações Unidas para Refugiados), é considerada apátrida a pessoa que não tem nacionalidade reconhecida por nenhum país.

Desde agosto, o Brasil passou a reconhecer pedidos de nacionalidade brasileira a quem estiver em condição de apátrida no país.

Também de acordo com a agência da ONU, refugiados são aqueles que estão fora de seu país de origem devido a perseguição relacionada a questões de raça, religião, nacionalidade, pertencimento a um grupo social ou opinião política, e também devido a grave e generalizada violação de direitos humanos e conflitos armados.

O visto humanitário, por sua vez, é uma concessão do Estado brasileiro para a acolhida de estrangeiros em situação de grave ou iminente instabilidade institucional ou de grave violação de direitos humanos ou do Direito Internacional Humanitário.

Cronograma e conteúdo

O teste será aplicado no dia 18 de janeiro e terá duração de quatro horas, das 14h às 18h. Os candidatos terão que responder uma prova objetiva e escrever uma redação; a nota final será o resultado da soma dos pontos obtidos duas provas. É necessária uma nota maior que zero em cada uma delas, além de nota final igual ou superior a 30, para que o candidato seja considerado habilitado nessa fase.

A prova objetiva terá 25 questões de múltipla escolha, cada uma com cinco alternativas e apenas uma única resposta correta. As questões serão de língua portuguesa, matemática, geografia, história, sociologia, filosofia, biologia, química efísica. Cada questão valerá três pontos, o que totaliza 75 pontos. O detalhamento do conteúdo programático pode ser conferido no edital.

A redação é obrigatória e será realizada somente em língua portuguesa. O texto deverá conter, no mínimo, 12 linhas sobre um tema a ser informado no momento da aplicação do teste. A pontuação é de, no máximo, 25 pontos.

Veja os erros de português que derrubam os candidatos em provas e concursos

Últimas