Petistas já foram denunciados no 'Mensalinho do Twitter'

Empresas de deputado federal do PT contrataram influenciadores digitais para postarem conteúdos favoráveis a candidatos do próprio partido

Petistasjá foram denunciados no 'Mensalinho do Twitter'

Petistasjá foram denunciados no 'Mensalinho do Twitter'

Pixabay

Empresas ligadas ao deputado federal do PT Miguel Corrêa foram acusadas, em agosto deste ano, por influenciadores digitais de contratar propaganda irregular a favor do PT (Partido dos Trabalhadores) no Twitter.

E as fake news do PT no WhatsApp?

O “Mensalinho do Twitter”, como ficou conhecido, teria surgido da promessa do deputado a candidatos do próprio partido e do PR (Partido da República) a criar uma estratégia diferente de campanhas usando as redes sociais.

De acordo com alguns contratados pelo PT, eles tinham que escrever tuítes favoráveis sobre os candidatos Gleisi Hoffman (PR), Luiz Marinho (SP) e Wellington Dias (PI).

Em nenhum momento as publicações informavam que eram pagas e nem exibiam informações sobre a empresa ou político que contratou o serviço.

TSE remove inserção de Haddad com informação falsa sobre Bolsonaro

A prática não é aceita pela legislação, que permite apenas propagandas eleitorais nas redes sociais no modelo de impulsionamento. Além disso, são os candidatos, partidos ou coligações que devem contratar diretamente a rede social.

A publicação também deve deixar explícito qual partido, candidato ou coligação, com CNPJ de quem fez o pagamento. A consequência de quem não segue essa regra é multa de até R$ 30 mil.

Entre as empresas contratadas estava a agência Lajoy e a Follow Análises Estratégicas. A última foi criada em 30 de julho pelo deputado. Já a Lajoy informou que tinha sido contratada pela empresa Be Connected, que tem como proprietário Rodrigo Queles Teixeira Cardoso.

Queles é secretário parlamentar do deputado federal Miguel Corrêa.

Facebook

Em setembro, o Facebook remevou 11 páginas e 42 perfis administrados pela empresa Follow. De acordo com a rede social, as páginas violavam as políticas de autenticidade da rede.

Outro lado

O deputado Miguel Corrêa negou que teria pago para promover conteúdo favorável ao partido. Ele disse que nunca houve contrato com uma única pessoa com esse objetivo.

Rodrigo Queles Teixeira Cardoso, da Be Connected, informou que a empresa repudia a compra de apoio e Fake News.

O PT não se manifestou sobre o assunto.