Eleições 2020 "Eleições estão assustadoramente normais", diz presidente do TSE

"Eleições estão assustadoramente normais", diz presidente do TSE

De acordo com Barroso, um número muito pequeno de urnas precisaram ser substituídas no país. No total, 30 candidatos foram presos

Presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) durante coletiva

Presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) durante coletiva

Reprodução

Durante coletiva neste domingo (15), o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luís Roberto Barroso, afirmou que, até agora, as eleições 2020 estão "assustadoramente normais".

De acordo com Barroso, um número muito pequeno de urnas precisaram ser substituidos no país, um percentual de 0,38% (1.700 unidades). No total, 30 candidatos foram presos, sendo 20 por boca de urna. 

Luís Roberto Barroso afirmou ainda que o governo busca ativamente uma forma de substituição para as urnas eletrônicas. "A cada dois anos nos temos que trocar 20% das urnas eletrônicas e isso tem um custo elevado", destacou. 

Barroso disse que, ao final do dia, será possível avaliar o papel da pandemia no comparecimento dos eleitores. "Estamos em uma pandemia, mas por outro lado eu vi a sociedade muito mobilizada", afirmou. 

Instabilidade no e-Título

O presidente reconheceu que o aplicativo e-Título está apresentando instabilidade momentânea, mas disse que isso se deve ao grande volumes de usuários que tentam baixar o aplicativo "simultaneamente" e de "última hora". Um problema com um dos servidores também teria causado lentidão.

Barroso afirmou que houve uma tentativa de ataque hacker, mas que a situação foi completamente neutralizada. "Houve de fato uma tentativa de ataque hoje com uma quantidade de acessos massivos para tentar o derrubar o sistema", disse Barroso. 

De acordo com Barroso, foram registrados 13 milhões de downloads do aplicativo, sendo 3 milhões deles de ontem para hoje. Barroso diz que estão em contato com a empresa desenvolvedora do aplicativo e com o Google para normalizar a situação o mais rápido possível. 

Até as 15h, houve 561 mil justificativas de eleitores que não vão votar no primeiro turno. O TSE orienta que os eleitores que encontrarem dificuldades para justificar ausência esperem alguns minutos para tentar novamente. 

Uso de urnas

O sistema de urnas eleitorais é utilizado no Brasil desde 1996 e Barroso afirmou que, até hoje, nunca houve nenhuma evidência para duvidar das urnas. 

O presidente do TSE afirmou que seu "papel é enxergar além da fumaça, além da retorica politica, e ver se tem fatos para serem apurados". Segundo Barroso, "se alguém trouxer alguma documentação de que houve fraude, nos vamos apurar imediatamente". 

Fake news

Barroso afirmou que o TSE fez grandes esforços para enfrentar as fake news nas eleições 2020. 

"A verdade é que nós nos empenhamos muito, nos preparamos para uma guerra contra as fake news", afirmou, citando que o TSE contou com a parceria de redes sociais como Facebook, Instagram e TikTok para atuar contra a difusão das notícias falsas. 

Ao citar algumas das ações do TSE, como as parcerias e campanhas de conscientização, Barroso considera que o Tribunal "venceu" as notícias falsas neste ano. "Nós temos a impressão de que nós ganhamos essa batalha, pelo menos, as informações fraudulentas não tiveram um papel relevante nessas eleições", afirmou. 

Últimas