Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Hora 7
Publicidade

Mulher viciada em comer cimento e argamassa explica: ‘Isso me dá um burburinho’

Patrice Benjamin-Ramgoolam sofre de distúrbio alimentar conhecido como síndrome de pica, o apetite por substâncias não alimentícias e sem valor nutricional

Hora 7|Do R7


Patrice Benjamin-Ramgoolam, 39, sofre de um distúrbio alimentar conhecido como síndrome de pica, que a faz ter apetite por substâncias não alimentícias e sem valor nutricional — no caso dela, cimento e argamassa.

Em entrevista à revista britânica Closer, Patrice revelou a dificuldade em evitar o hábito perigoso. “Sei que é muito ruim para mim, mas a sensação após comer cimento e argamassa é como um hormônio da felicidade e um cobertor reconfortante, tudo em um só”, definiu. “Isso me dá um burburinho. Gostaria de poder parar pelo bem do meu marido, mas não sei se consigo.”

Patrice Benjamin-Ramgoolam é viciada em comer tijolos e argamassa Reprodução/ITV/This Morning (via Mirror)

O distúrbio foi desencadeado nela, quando tinha 15 anos e morava com os avós, logo após a separação dos pais. “Certo dia, durante uma reunião de família, alguém mencionou que minha tia e meu tio haviam cutucado a parede e comido quando eram pequenos. Foi falado sobre isso de uma forma despreocupada, e eles aparentemente já haviam superado quando tinham cinco anos”, lembrou.

Na sequência, durante uma tarde após a escola, Patrice raspou a parede de um quarto pouco usado e comeu o conteúdo. “Sabia que era estranho, mas gostei do sabor seco e depois me senti bem.”

Publicidade

A partir daí, virou rotina frequentar o cômodo, ouvir música e comer cinco colheres de chá da argamassa removida da parede. Os avós de Patrice achavam que os buracos eram provocados pelo desgaste natural da casa.

Ao casar, o marido dela foi morar na mesma residência. Mesmo com a morte dos avós, o casal continuou no local, onde ela escavava paredes e escondia os danos com pôsteres, para não revelar a verdade ao companheiro. No entanto, ele percebeu e a questionou.

Publicidade

“Fiquei assustada com a reação dele. Mas, depois que contei, fiquei feliz por ele saber. Manter isso escondido foi um grande fardo para mim. Ele estava chateado, é claro, e pude ver que ele não entendia muito bem”, lembrou, “ele me implorou para parar.”

Apesar de ter passado por um médico, Patrice atualmente lida com a síndrome por meio de técnicas de atenção plena e garante ter “mais controle”. Ainda assim, “não sabe se esta pronta para parar completamente”. “Isso desperta felicidade dentro de mim. Só espero não acabar prejudicando seriamente minha saúde”, pontua.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.