Internacional Anak Krakatoa renasceu sobre outro vulcão e cresce 5m por ano

Anak Krakatoa renasceu sobre outro vulcão e cresce 5m por ano

Atividades recentes estariam ligadas ao tsunami, que matou mais de 200 na Indonésia. Para governo local, erupções não oferecem risco à população

Anak Krakatoa tem atividade vulcânica constante

Anak Krakatoa tem atividade vulcânica constante

Antara Foto/Bisnis Indonesia/Nurul Hidayat/ via REUTERS - 23.12.2018

Supostamente responsável pelo tsunami que matou mais de 200, feriu quase 900 e deixou 28 pessoas desaparecidas, o vulcão Anak Krakatoa está na lista dos que possuem a maior atividade vulcânica do mundo, segundo a Agência Nacional de Gestão de Desastres (BNPB, na sigla em indonésio), ele entra em erupção quase todos os dias.

Na língua indonésia, Anak Krakatoa significa "filho de Krakatoa" — o nome dado a um dos maiores vulcões da história, que estava no mesmo local do atual.

O vulcão Krakatoa desapareceu após a segunda maior erupção vulcânica de que se tem registro, em 1883. Na ocasião, as cinzas disparadas pelo vulcão chegaram à Austrália — a milhares de km de distância. A luz do sol não passou por dias, afetando a vida na região por diversos anos.

Em 1927, o Anak Krakatoa renasceu acima do mar. O vulcão é considerado novo e a montanha continua a crescer. De acordo com as últimas medições, o montanha cresce 5 metros por ano.

Na sexta-feira (21) e no sábado (22), pouco antes das ondas gigantes que atingiram as ilhas de Java e Sumatra, na Indonésia, o Krakatoa já havia registrado explosões e expelia fumaça no ar.

Na sexta-feira, inclusive, de acordo com BBC, o vulcão expeliu lava por 2 minutos e 12 segundos, criando uma coluna de fumaça de 400 metros de altura acima da montanha. Neste domingo (23), o Krakatoa voltou a soltar nuvens de fumaça. A lava e a fumaça expelidas constantemente pelo vulcão não apresenta um risco para a aviação.

Normalmente, os tsunamis surgem na sequência de um terremoto, o que permite às autoridades locais esvaziar áreas com população e se prevenir das grandes ondas. Desta vez, porém, a Indonésia não teve esse alerta.

A causa mais provável apontada é de que a erupção do vulcão tenha causado um deslizamento submarino, o que provocou as ondas. O impacto foi ainda maior por conta da maré alta, por conta da lua cheia.

Em entrevista após o desastre, o chefe da Agência Nacional de Gerenciamento de Desastres (BNPB, na sigla em indonésio), Sutopo Purwo Nugroho, afirmou que "as recomendações da Meteorologia, Climatologia e Agência Geofísica são que as pessoas não devem realizar atividades na praia e ficar longe da costa por um tempo".

"O potencial para um novo tsunami ainda é possível porque as eupções vulcânicas do Anak Krakatoa continuam a ocorrer, potencialmente provocando um novo tsunami", detalhou.

Fumaça pode prejudicar passagem da luz do sol

Fumaça pode prejudicar passagem da luz do sol

Antara Foto/Bisnis Indonesia/Nurul Hidayat/ via REUTERS - 23.12.2018

Em agosto, a agência de prevenção de desastres havia publicado um comunicado, que falava sobre a atividade do vulcão. Na nota, a agência destacava que, apesar do grande número de pequenas erupções, o vulcão não oferecia riscos para a população. Na ilha, não existe uma população local, mas o vulcão atrai muitos turistas.

Segundo a BNPB, mantendo uma distância de 2 km do topo do vulcão, as pessoas podem ficar tranquilas. O governo indonésio chega a sugerir que o vulcão seja utilizado para turismo ambiental e educação vulcânica. O país tem tem 127 vulcões ativos, o que equivale a, 13% dos vulcões ativos no mundo.

O Anak Krakatoa ainda não teve nenhuma erupção que possa se comparar à de seu antecessor. No entanto, especialistas alertam que, caso haja uma semelhante, ela pode ser ainda mais danosa, afetando boa parte do planeta.

Atualmente, o vulcão é monitorado por conta de sua atividade constante, mas está dentro da categoria II do nível de alerta. Significa que não é considerado muito perigoso, mas demanda atenção.

Últimas