Internacional Área vulcânica adormecida por 800 anos intriga cientistas na Islândia  

Área vulcânica adormecida por 800 anos intriga cientistas na Islândia  

Vulcanólogos islandeses tentam entender sinais de que um vulcão na região de Reykjavik pode entrar em erupção

  • Internacional | Da AFP

Cientistas buscam entender possível erupção em área vulcânica

Cientistas buscam entender possível erupção em área vulcânica

Halldor KOLBEINS / AFP

Em erupção ou não?  Em alerta desde a semana passada, os vulcanólogos islandeses tentam desvendar os mistérios da atividade vulcânica incomum perto de Reykjavik, em uma península que está adormecida há quase oito séculos.

A 25 quilômetros da capital, a pequena montanha vulcânica Keilir e seus arredores são examinados há vários dias para determinar se a lava sairá ou não.

A hipótese foi considerada altamente provável em meados da semana passada, após uma série de micro tremores relacionados com fluxos de magma, mas agora parece mais incerta.

"Isso sempre deve ser levado a sério", disse à AFP Thorbjorg Ágústsdóttir, sismologista da instituição estadual de pesquisa geocientífica ISOR.

De acordo com os dados mais recentes, o magma está a apenas um quilômetro da superfície. “É muito perto”, reconheceu Thorvaldur Thórdarson, vulcanologista da Faculdade de Engenharia e Ciências Naturais.

Especialistas acreditam que uma possível erupção pode ocorrer por meio de uma fissura entre Keilir e a montanha Fagradalsfjall, em uma área desabitada.

Sinais de alerta desconhecidos

Há sinais de reativação na área há mais de um ano, mas foi um terremoto de magnitude 5,7 em 24 de fevereiro que sinalizou um possível evento significativo.

Desde então, quase 34.000 tremores foram detectados na Península de Reykjanes na rede sísmica do Instituto Meteorológico da Islândia, o maior desde o início da vigilância digital em 1991.

Leia mais: Apple pode anunciar novo iPhone SE ainda em março

Após dois dias de calmaria, a atividade sísmica se intensificou na terça à noite. “Isso pode acontecer em fases”, alertou Sara Barsotti, coordenadora de riscos vulcânicos.

Como a maior e mais ativa região vulcânica da Europa, a Islândia possui uma rede de vigilância excepcional em seu território. Mas os mistérios permanecem, especialmente quando a última erupção na região sudoeste da ilha data do século XIII.

"Não sabemos como os sistemas vulcânicos da Península de Reykjanes se preparam para uma erupção. Que tipo de sinais precursores estão associados? Quanto tempo leva? Não sabemos porque nunca fomos capazes de medi-lo", admitiu Thorvaldur Thórdarson

A única certeza é que, caso ocorresse uma erupção, seria um fluxo de lava limitado, com poucas cinzas, segundo vulcanologistas. "As erupções nesta área são geralmente bastante suaves", disse Páll Einarsson, geofísico do Instituto de Ciências da Universidade da Islândia.

Portanto, não há necessidade de temer um cenário semelhante ao do já famoso vulcão islandês Eyjafjallajökull, cujas prodigiosas explosões e liberação de cinzas em 2010 paralisaram o tráfego aéreo por semanas na Europa.

Evidências geológicas mostram que a pequena península assenta em cinco sistemas vulcânicos, que parecem ganhar vida de forma coordenada a cada 800 anos, em média. Mas o último período de atividade vulcânica na região durou três séculos, com várias erupções que às vezes duravam mais de uma década.

Leia mais: Reconhecimento facial entra na vida cotidiana dos russos

"Podemos estar entrando em um novo período de erupções na Península de Reykjanes", disse Thorvaldur Thórdarson. Até poucos meses atrás era o Grímsvötn, sob a geleira Vatnajökull no sul da ilha, que chamava a atenção.

Cientistas indicaram em meados de 2020 que o vulcão mais ativo da Islândia estava se preparando para sua próxima erupção. Mas a erupção ainda não ocorreu.

Últimas