Internacional Ataque aéreo dos EUA matou 10 civis, sendo sete crianças afegãs

Ataque aéreo dos EUA matou 10 civis, sendo sete crianças afegãs

Alvo atingido foi um veículo que estaria sendo preparado pelo Estado Islâmico-K para uma nova ação do grupo terrorista

  • Internacional | Pablo Marques, do R7

EUA utilizaram um drone para atacar um suposto carro-bomba que seria usado pelo Estado Islâmico-K

EUA utilizaram um drone para atacar um suposto carro-bomba que seria usado pelo Estado Islâmico-K

WAKIL KOHSAR / AFP

Os EUA utilizaram um drone para atacar, no domingo (29), um suposto carro-bomba que seria usado em um novo atentando pelo Estado Islâmico K, ou ISIS-K, o braço afegão do grupo terrorista. O disparo que destruiu o veículo estacionado em uma casa teria matado 10 pessoas da mesma família, segundo informações publicadas pelo jornal New York Times nesta segunda-feira (30).

Segundo sobreviventes e vizinhos ouvidos pela imprensa norte-americana, entre as vítimas fatais do ataque aéreo estão sete crianças afegãs que estariam dentro do veículo e também em áreas próximas de onde o míssil caiu.

A explosão matou também um afegão que trabalhava para uma instituição de caridade dos EUA e um outro homem que prestava serviços para as forças armadas americanas e que tinha chegado à Cabul para tentar deixar o país em um voo militar. A reportagem do NYT não divulgou informações sobre a décima vítima civil.

Os EUA afirmaram que vão investigar a informação de que civis foram mortos no ataque. "Estamos avaliando as possibilidades de vítimas civis, embora não tenhamos indicações no momento. Permanecemos vigilantes para potenciais ameaças futuras", informa a nota assinada pelo porta-voz do Comando Central dos EUA, capitão Bill Urban.

Segundo autoridades dos EUA, após o veículo ter sido atingido pelo míssil disparado pelo drone, houve uma sequência de outras explosões, o que seria um indicativo da presença de explosivos e, portanto, a comprovação de que um novo atentado estava sendo planejado.

Os ataques dos EUA às vésperas de encerrar a operação de retirada de estrangeiros, civis e militares, no dia 31 de agosto, foi uma resposta ao ataque realizado por um homem-bomba membro do ISIS-K na última quinta-feira (26). A ação matou mais de 180 pessoas nos arredores do aeroporto de Cabul, incluindo 13 militares norte-americanos.

Na sequência ao ataque terrorista, o governo norte-americano realizou um primeiro ofensiva contra o Estado Islâmico K e atacou uma região no leste do Afeganistão. A missão teria matado 

Nesta segunda-feira (30), o grupo Estado Islâmico K reinvindicou a autoria do ataque com cinco foguetes contra o aeroporto de Cabul. O sistema antimíssil do exército dos EUA conseguiu interceptar o ataque e impedir danos e vítimas no local.

Últimas