Internacional Ataque saudita contra prisão no Iêmen deixa ao menos 200 mortos

Ataque saudita contra prisão no Iêmen deixa ao menos 200 mortos

Ação seria uma retaliação contra atentado com drones que matou três pessoas em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes

  • Internacional | Da Ansa

Ataque contra prisão administrada pelos houthis foi condenado pela ONU

Ataque contra prisão administrada pelos houthis foi condenado pela ONU

Ansarullah media center via AFP - 21.1.2022

Um ataque da coalizão militar liderada pela Arábia Saudita na cidade de Hodeidah, no Iêmen, deixou cerca de 200 mortos e dezenas de feridos no norte do país nesta sexta-feira (21), informam a emissora local Mayadin e organizações de assistência humanitária.

A área da ação é dominada pelos rebeldes houthis que, há quatro dias, fizeram um ataque com drones em Abu Dhabi, que deixou três mortos.

Os números oficiais não são exatamente conhecidos, já que o Iêmen é um país devastado por sete anos de guerra e acumula inúmeras tragédias.

A Cruz Vermelha Internacional, que atua na ajuda humanitária a milhões de iemenitas, havia confirmado ao menos 100 mortos e feridos. A ONG Save the Children informou que três crianças morreram enquanto jogavam bola em uma área atingida por mísseis. Já a Médicos sem Fronteiras notificou 70 mortes e 140 feridos.

Além da perda de vidas humanas, toda a região ficou sem acesso à internet, já que bombas foram lançadas em áreas de controle das telecomunicações.

Esse é o segundo ataque como represália pela ação com drones dos houthis, que são apoiados pelo Irã. Há três dias, um bombardeio na capital Sanaa matou 14 pessoas.

Conforme apontam dados das Nações Unidas, durante a guerra mais de 377 mil pessoas já morreram no Iêmen, seja em ataques ou por falta de comida ou por falta de assistência médica. Há ainda milhões de pessoas deslocadas dentro do país, e a maioria da população precisa de ajuda humanitária para sobreviver.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou os ataques aéreos da coalizão e "lembrou a todas as partes que ataques diretos contra civis e infraestruturas civis são proibidos pelo direito humanitário internacional".

Em nota, Guterres ainda lembrou que todos os países têm "suas obrigações" de respeitar os direitos e o dever de "garantir que os civis sejam protegidos dos perigos das operações militares, aderindo aos princípios de proporcionalidade, distinção e precaução".

O líder da ONU ainda pediu "investigações rápidas, eficazes e transparentes sobre esses incidentes para garantir a responsabilidade" de cada um e "uma urgente desaceleração da situação".

Últimas