Internacional Autor de massacre na Nova Zelândia visitou Bulgária em novembro

Autor de massacre na Nova Zelândia visitou Bulgária em novembro

Suspeitas começaram depois que autoridades analisaram as inscrições em alfabeto cirílico na arma usada pelo extremista no atentado

Inscrições em cirílico e nome de reis causaram suspeitas

Inscrições em cirílico e nome de reis causaram suspeitas

Reprodução Internet via Reuters - 15.3.2019

Autoridades da Bulgária confirmaram nesta sexta-feira (15) que o suposto mentor do atentado a tiros em duas mesquitas na Nova Zelândia, no qual foram assassinadas 49 pessoas, visitou vários lugares históricos da Bulgária, incluindo antigos campos de batalha onde se enfrentaram exércitos cristãos e otomanos.

O supremacista branco de 28 anos, ficou seis dias na Bulgária, e depois viajou para Romênia e Hungria, disse em entrevista coletiva o procurador-geral do país europeu, Sotir Tsatsarov.

"O período estabelecido de presença em território búlgaro é de 9 a 15 de novembro", explicou.

No tempo em que passou na Bulgária, o extremista de direita visitou pelo menos nove cidades ligadas ao passado do país, incluindo a antiga capital, Veliko Tarnovo, além de outros lugares nos quais, em diferentes períodos históricos, houve batalhas entre exércitos cristãos e muçulmanos.

O procurador fez as declarações depois de se reunir com o primeiro-ministro búlgaro, Boiko Borisov, e com os ministros de Interior e Relações Exteriores, assim como com os chefes dos serviços de espionagem.

"Em 15 de novembro esta pessoa deixou a Bulgária em um voo das linhas aéreas romenas e chegou a Bucareste, onde alugou um carro com o qual viajou para a Hungria", disse Tsatsarov.

Por enquanto, segundo o procurador-geral, os primeiros dados apontam que Tarrant esteve no país apenas por "turismo".

Os serviços secretos búlgaros estão investigando se o autor do massacre entrou em contato com cidadãos do país durante a estadia ou foi acompanhado por alguém durante a viagem.

Segundo as autoridades búlgaras, esta foi a segunda viagem do suspeito aos Balcãs, já que em dezembro de 2016 visitou Sérvia, Montenegro, Bósnia e Croácia.

A primeira pista sobre a estadia do extremista na Bulgária surgiu quando em fotos das armas e dos carregadores do terrorista podiam ser vistas palavras em alfabeto cirílico, os nomes de reis búlgaros e de lugares de grandes batalhas, uma delas durante a guerra entre a Rússia e a Turquia de 1877-1878.

O terrorista foi detido com dois supostos cúmplices, e uma quarta pessoa detida foi liberada.