Benny Gantz consegue maioria para formar governo em Israel

Partido Azul e Branco teve menos votos que o Likud, de Netanyahu, mas coalizão garantiu o direito de assumir o cargo de primeiro-ministro

Benny Gantz conseguiu apoio da centro-direita para ter maioria no Parlamento de Israel

Benny Gantz conseguiu apoio da centro-direita para ter maioria no Parlamento de Israel

Jinipix / EFE-EPA - 2.3.2020

O presidente de Israel, Reuven Rivlin, anunciou neste domingo (15) que, após a recomendação de uma maioria pequena de deputados, entregará a Benny Gantz, da aliança de centro Azul e Branco, a incumbência de formar um novo governo.

Depois de extensa jornada de consultas do chefe de Estado com os representantes dos partidos no Kneset, o Parlamento do país, Gantz recebeu promessa de apoio de três deputados que, até então, estavam com Benjamin Netanyahu, que será o primeiro-ministro em exercício apenas até amanhã.

Com os apoios declarados a Rivlin, Gantz passou a contar com base de 61 dos 120 parlamentares, com isso, nessa segunda-feira será nomeado como premiê e terá o direito de formar o governo.

Hoje, o atual e próximo primeiros-ministros foram convocados para uma reunião com o presidente, para que fosse tentada a formação de um Executivo de unidade, mas o líder da aliança Azul e Branco garantiu que não aceita governar junto com Netanyahu.

Gantz garantiu coalizão com esquerda e direita

Nas últimas eleições, a coalizão de Gantz conseguiu 33 cadeiras no Parlamento, e contou seis deputados eleitos pela aliança de centro esquerda Trabalhismo-Guesher-Meretz. A Lista Unida, de maioria árabe, com 15, e a ultradireitista Israel Nosso Lugar, de Avigdor Lieberman, com sete, também estão com o novo premiê.

O apoio de formações com posições tão antagônicas entre diversos assuntos, não garantirá, contudo, que Gantz consiga estabelecer um governo de coalização. Uma das opções, assim, é montar um Executivo de minoria, com Israel Nosso Lugar e Trabalhismo-Guesher-Meretz, com apoio da Lista Unida na política externa.

Como a própria aliança que o novo primeiro-ministro lidera é contra esse cenário, talvez seja possível uma negociação com o Likud, de Netanyahu, ou com partidos ultra ortodoxos ou ultradireitistas, para buscar mais apoio.

Após receber amanhã, de maneira oficial, a incumbência de formar um novo governo, Gantz terá um prazo de 28 dias para cumprir a tarefa, com a possibilidade de que o presidente de Israel amplie o prazo por mais 14 dias.