Bolívia entrega três integrantes de facção criminosa ao Brasil

Ministro do Interior afirmou que a expulsão se dá porque 'eles estão prejudicando a sociedade boliviana' e são 'potencialmente perigosos'

Ministro Arturo Murillo afirmou que os presos são potencialmente perigosos

Ministro Arturo Murillo afirmou que os presos são potencialmente perigosos

Martín Alipaz/ EFE / 06.02.2020

As autoridades bolivianas entregarão nesta quinta-feira às autoridades brasileiras três supostos membros da organização criminosa brasileira Primeiro Comando da Capital (PCC), porque "eles estão prejudicando a sociedade boliviana", no âmbito de uma política de retorno a seus interesses. país de reclusos potencialmente perigosos.

Leia mais: PCC cresce no Paraguai e lidera rebeliões por direitos dos presos

Os três presos foram transferidos para o aeroporto de El Trompillo, na cidade oriental de Santa Cruz, com algemas de pés e mãos, além de usar máscaras e luvas como medidas preventivas para o coronavírus.

Os três presos foram colocados em um pequeno avião para ir à fronteira com o Brasil para entregá-los às autoridades do país vizinho.

"Todos esses senhores pertencem à gangue perigosa do Primeiro Comando da Capital que tenta se organizar para fazer tumultos nas prisões", disse o ministro do Interior do governo interino, Arturo Murillo.

O ministro detalhou que os três detentos estão envolvidos em roubos, em organizações criminosas e um deles fazia parte da gangue de agressores que atiraram e roubaram um caminhão blindado carregando uma remessa de dinheiro no país em 2017.

"Estamos removendo, expulsando esses cidadãos brasileiros, estamos fazendo a operação pessoalmente para que tudo corra bem e vamos entregá-los na fronteira", afirmou Murillo.

Ele também acrescentou que sua expulsão é porque "eles estão prejudicando a sociedade boliviana" e que todas as razões estão "enquadradas na lei".

Murillo indicou que há uma lista de 26 presos que ainda não foram removidos das prisões bolivianas.

O ministro boliviano anunciou há um mês que as autoridades bolivianas iniciariam procedimentos para a transferência de prisioneiros do PCC para o Brasil.

Este anúncio foi feito depois que um preso ligado a esse grupo jogou uma granada em uma prisão boliviana, matando três presos e ferindo quase trinta, no que as autoridades consideraram uma luta pelo poder entre prisioneiros e pelo qual ele foi condenado a 30 anos de prisão, a pena máxima na Bolívia.