Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Bolívia: organismos internacionais repudiam tentativa de golpe no país

Representantes da União Europeia e OEA afirmaram que não tolerarão nenhuma ‘quebra constitucional’

Internacional|Estadão Conteúdo


Autoridades internacionais denunciaram golpe militar na Bolívia Reprodução/X/@sentdefender

A comunidade internacional rapidamente se pronunciou para condenar a tentativa de golpe de Estado na Bolívia na tarde desta quarta-feira, 26. Pouco depois dos eventos, parte importante dos líderes da América Latina criticou as ações do exército local, o que também ocorreu com representantes da Organização dos Estados Americanos (OEA) e da União Europeia (UE).

Um dos primeiros a se manifestar foi o secretário-geral da OEA, Luis Almagro. Em sua conta na rede social “X”, o representante condenou de “forma mais energética os acontecimentos”. Segundo ele, o “Exército deve ser transferido para o poder civil legitimamente eleito. Enviamos nossa solidariedade ao presidente da Bolívia Luis Arce Catacora, ao seu governo e a todo o povo boliviano. A comunidade internacional, a OEA e a Secretaria Geral não tolerarão nenhuma quebra da ordem constitucional legítima na Bolívia ou em qualquer outro lugar”.

O Alto Representante da UE, Josep Borrell, escreveu na mesma rede social que o bloco “condena qualquer tentativa de quebrar a ordem constitucional na Bolívia e derrocar os governos eleitos democraticamente, e expressa sua solidariedade com o governo e o povo boliviano”. O presidente de governo da Espanha, Pedro Sánchez, disse que o país condena “veementemente os movimentos militares”. Na mesma rede, ele afirmou: “enviamos ao Governo da Bolívia e ao seu povo o nosso apoio e solidariedade e fazemos um chamado para respeitar a democracia e o estado de direito”.

Ataque à democracia

A presidente de Honduras, país que atualmente detém o mandato rotativo da Comunidade dos Estados latino-americanos e Caribenhos, Xiomara Castro, apelou “urgentemente aos presidentes dos países membros da Celac para que condenem o fascismo que hoje ataca a democracia na Bolívia e exijam o pleno respeito pelo poder civil e pela Constituição”.

Publicidade

O presidente da Colômbia, Gustavo Petro, convidou “todo o povo boliviano à resistência democrática”. “A América Latina deve unir-se em favor da democracia. A embaixada colombiana deve conceder refúgio aos perseguidos. Não haverá relação diplomática entre a Colômbia e a ditadura”, escreveu ainda.

O presidente do Chile, Gabriel Boric, escreveu que não “podemos tolerar nenhuma quebra da ordem constitucional legítima na Bolívia ou em qualquer outro lugar”. A presidente eleita do México Claudia Scheinbuam disse que “o levantamento de algumas unidades das Forças Armadas da Bolívia é um atentado contra a democracia”. Menos alinhado ideologicamente ao governo de Arce, o presidente do Paraguai, Santiago Peña, também condenou os eventos. “Fazemos um chamado enérgico para respeitar a democracia e o Estado de Direito”, escreveu. Posição semelhante adotou o presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, que disse que os acontecimentos foram “levados a cabo por um setor das suas Forças Armadas que ameaça a sua ordem democrática e constitucional”.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.