Chefão da Cosa Nostra morde e arranca dedo de guarda de prisão

Giuseppe Fanara, 60, que cumpria pena de prisão perpétua em um presídio perto de Roma, atacou sete agentes durante uma inspeção em sua cela

O mafioso Giuseppe Fanara mordeu e arrancou o dedo de um agente carcerário

O mafioso Giuseppe Fanara mordeu e arrancou o dedo de um agente carcerário

Reprodução / Twitter

Um chefão da máfia siciliana atacou sete guardas, mordeu o dedo mindinho de um deles, arrancou um pedaço do dedo e possivelmente engoliu durante uma briga na cadeia onde ele cumpre uma sentença de prisão perpétua.

Leia também: Membros da máfia italiana desviam fundos para covid-19 e são presos

Segundo o jornal italiano Il Messaggero, o chefão Giuseppe Fanara, 60, um dos líderes da Cosa Nostra, se revoltou durante uma inspeção em sua cela, Ele se atracou com um dos agentes carcerários e tentou enforcá-lo. Os dois caíram no chão, o mafioso mordeu o dedo do agente e o arrancou.

Ele ainda atacou outros seis guardas que vieram ajudar o colega, usando um cabo de vassoura como arma e gritando que iria "abatê-los como porcos". Os agentes levaram horas para conseguir conter o homem. Como o dedo arrancado nunca foi encontrado, um promotor concluiu que ele foi engolido.

Medidas de isolamento

O episódio aconteceu no último dia 17 de junho. Por conta disso, Fanara, que passou os últimos 9 anos cumprindo sua pena em um regime especial chamado "41-bis", foi transferido da prisão de Rebibbia, nos arredores de Roma, para o presídio de segurança máxima de Sassari, na ilha da Sardenha.

O regime "41-bis" foi criado especialmente para os chefes de famílias mafiosas e terroristas que são condenados na Itália. Eles ficam em um isolamento especial, com visitas mais controladas e sem contato com outros presos, para evitar que eles continuem comandando as atividades das quadrilhas de dentro do presídio.