Chile: com boicote de estudantes, vestibular é suspenso em 64 locais

O subsecretário do Interior, Juan Francisco Galli, informou que 81 pessoas foram detidas "por delitos de desordem, danos e usurpação não violenta".

Chile enfrenta protestos de outubro de 2019

Chile enfrenta protestos de outubro de 2019

Ivan Alvarado/Reuters

Grupos de estudantes atrapalharam nesta segunda-feira a realização do vestibular para as universidades públicas e privadas do Chile com um boicote e a ocupação de algumas instituições de ensino. As manifestaçãoes provocaram a suspensão da prova em 64 dos 729 estabelecimentos onde era realizada.

Associações de estudantes, como a Assembleia Coordenadora de Estudantes Secundaristas (Aces) e a Coordenação Nacional de Estudantes Secundaristas (Cones), convocaram um boicote à chamada Prova de Seleção Universitária (PSU), para a qual cerca de 300 mil estudantes se inscreveram.

Veja também: 4 pontos para entender os protestos no Chile

O ato ocorre em meio aos protestos que ocorrem no país desde 18 de outubro de 2019 contra a desigualdade. Os manifestantes afirmam que a educação se tornou um produto mercantilizado e com pouco apoio do governo.

Aces pediu a interrupção da prova, que considera "profundamente segregadora". Desde o início do dia, instituições de ensino de todo o país foram tomadas por estudantes dispostos a impedir a realização do vestibular, inclusive com a queima de provas.

O subsecretário do Interior, Juan Francisco Galli, informou que 81 pessoas foram detidas "por delitos de desordem, danos e usurpação não violenta".

Leia mais: Protestos no Chile: a manifestação histórica que encheu as ruas de Santiago

"Continuaremos nas ruas contra a educação de mercado e lutando por um país onde pessoas pobres e filhos de trabalhadores possam estudar sem competição e sem segregação", escreveu Aces no Twitter.

No total, o Departamento de Avaliação, Medição e Registro Educacional (Demre) da Universidade do Chile contou 64 centros onde a PSU não pôde ser realizada e em quais foi suspensa.

A PSU pôde ser concluída nos 729 estabelecimentos restantes e continuará a ser aplicada na terça-feira, no segundo e último dia agendado para o teste.

"Durante este dia, a PSU foi suspensa por vários motivos em 64 estabelecimentos", explicou o Demre em comunicado de imprensa.

A instituição expressou o compromisso de permitir que todos os alunos façam a PSU e pediu para aqueles que foram afetados de alguma forma que ficassem de olho nos e-mails e no site do Demre para ver quando poderão fazer o teste.

O subsecretário de Educação Superior, Juan Andrés Vargas, disse que cerca de 90% dos jovens foram capazes de fazer com sucesso o primeiro dos testes, de acordo com a imprensa local. O grupo de jovens que foi afetado terá uma alternativa para realizar a PSU, acrescentou Vargas.

Repressão a protestos no Chile dispara violações de direitos