China

Internacional China deve fortalecer treinamento para 'combate real', diz Xi Jinping

China deve fortalecer treinamento para 'combate real', diz Xi Jinping

País realizou exercícios militares por três dias para pressionar Taiwan, após a presidente taiwanesa visitar os EUA

  • Internacional | Do R7

Presidente da China, Xi Jinping, tenta pressionar Taiwan com exercícios militares

Presidente da China, Xi Jinping, tenta pressionar Taiwan com exercícios militares

LUDOVIC MARIN / AFP - 06/04/2023


O presidente da China, Xi Jinping, pediu às Forças Armadas que reforcem seu treinamento militar orientado para o "combate real", em meio às tensões sobre Taiwan e depois de exercícios militares de três dias para pressionar a ilha.

Pequim considera Taiwan como uma província que ainda não conseguiu incorporar ao seu território desde o fim da guerra civil em 1949.

Para o governo chinês, o encontro da semana passada entre a presidente taiwanesa, Tsai Ing-wen, e Kevin McCarthy, presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, foi uma provocação.

Em resposta, o Exército chinês organizou exercícios militares para pressionar Taiwan. Para essas manobras, que terminaram na segunda-feira, a China mobilizou navios de guerra, lançadores de mísseis e caças.

Nesta quarta-feira (12), a televisão estatal CCTV transmitiu os primeiros comentários públicos de Xi Jinping desde os exercícios.

O exército deve "defender com determinação a soberania territorial e os interesses marítimos da China, além de se esforçar para proteger a estabilidade periférica em geral", insistiu o dirigente chinês, na véspera, durante uma visita à base naval no sul, mas sem mencionar Taiwan diretamente.

Xi Jinping pediu às Forças Armadas que "reforcem o treinamento militar orientado para o combate real", de acordo com a CCTV.

Ontem, o Ministério das Relações Exteriores da Alemanha criticou as "posições militares ameaçadoras" de Pequim, que aumentam "o risco de confrontos militares involuntários".

“Esperamos que todos os atores da região contribuam para a estabilidade e para a paz”, acrescentou Andrea Sasse, porta-voz do referido ministério, em entrevista coletiva em Berlim.

- Paz em perigo -
A reaproximação das autoridades taiwanesas com os Estados Unidos nos últimos anos irritou Pequim. Apesar do fato de Washington e Taipei não terem relações oficiais, os Estados Unidos fornecem apoio militar substancial à ilha.

No verão passado, a China fez manobras militares sem precedentes perto de Taiwan e disparou mísseis em resposta a uma visita à ilha da democrata Nancy Pelosi, quando ela ocupava o cargo hoje de McCarthy.

Xi deu essas declarações na terça-feira, dia em que Estados Unidos e Filipinas iniciaram os maiores exercícios militares conjuntos de sua história.

Com esses treinamentos, os dois aliados históricos tentam reforçar sua coordenação para neutralizar a influência da China na região. A proximidade das Filipinas com Taiwan pode tornar o país um parceiro importante, se a China invadir a ilha.

No início deste mês, o governo filipino anunciou a localização de quatro novas bases militares que provavelmente serão usadas pelos Estados Unidos.Uma delas fica perto do Mar da China Meridional, e outra, não muito longe de Taiwan.

A China criticou o acordo, dizendo que "põe a paz e a estabilidade regionais em risco".

Maduro, Xi Jinping e Merkel: conheça rivais de Trump pelo mundo

Últimas