Internacional Chuvas matam ao menos 93 na Europa e causam destruição 

Chuvas matam ao menos 93 na Europa e causam destruição 

Enchentes geraram desabamentos e cortaram a comunicação com diversas áreas; autoridades avaliam estragos

  • Internacional | Do R7, com informações da AFP

Fortes chuvas causam destruição na Alemanha.

Fortes chuvas causam destruição na Alemanha.

SASCHA STEINBACH/EFE

Pelo menos 93 pessoas morreram nas últimas horas na Europa, a maioria delas na Alemanha, devido à forte tempestade que causou inundações e deslizamentos de terra. Este número pode aumentar à medida que os serviços de resgate continuam a procurar dezenas de pessoas desaparecidas.

No oeste da Alemanha, uma área particularmente afetada por fortes chuvas, o número de mortos já chega a 81, segundo a polícia. "Temo que só veremos a magnitude da catástrofe nos próximos dias", alertou a chanceler alemã, Angela Merkel, na noite de quinta-feira, em Washington, onde está visitando.

"As inundações de morte", foi a manchete do jornal Bild, o mais lido na Alemanha na sexta-feira. As chuvas intensas surpreenderam os habitantes, em alguns casos presos por enchentes e transbordamentos de rios e semeou desolação e meia em seu rastro.

Na Bélgica também há 12 mortos, de acordo com o último balanço divulgado nesta sexta-feira, e Luxemburgo e Holanda também foram afetados e houve áreas que precisaram ser evacuadas com urgência.

No estado alemão da Renânia-Palatinado, o número de mortos foi de 28 para 50 na sexta-feira, mas certamente aumentará conforme as autoridades procuram dezenas de pessoas desaparecidas.

Em Bad Neuenahr-Ahrweiler, neste mesmo estado, vivem 1.300 pessoas das quais não há notícias, embora grande parte desse número inclua habitantes que não puderam ser localizados devido a problemas de comunicação.

Especificamente, "estimamos que pode haver 40, 50 ou 60 desaparecidos. Quando há pessoas que não mostram sinais de vida por muito tempo, o pior é temido", disse o ministro do Interior do estado, Roger Lewentz, à televisão SWR. “Portanto, o número de vítimas corre o risco de aumentar nos próximos dias”, afirmou.

Inimaginável

Por enquanto, continua chovendo em várias regiões do oeste e o fluxo do Reno e vários de seus afluentes aumenta perigosamente. “Essas imagens são vistas na televisão, mas o quanto você tem para vivê-las é inimaginável”, disse Achmed Hagnecevitch, da cidade de Hagen, na Renânia do Norte-Vestfália.

“A força da água e tudo o que ela carrega é incrível”, pensa Sebastian Kiefer em voz alta, tentando proteger a entrada de um restaurante próximo com sacos de areia.

Cerca de 1.000 soldados foram mobilizados na Alemanha para ajudar nas operações de resgate, evacuação e limpeza das cidades, das quais chegam imagens devastadoras. Pela cidade de Ahrwiler, parece que passou um tsunami: as ruas e numerosas casas estão submersas, edifícios desabaram, carros foram levados pela corrente, árvores, arrancadas.

Vários bairros deste distrito permaneceram literalmente isolados do mundo na sexta-feira.
Segundo Gerd Landsberg, diretor-geral da associação alemã de cidades e municípios, "é uma catástrofe de magnitude desconhecida". "Dados os danos, há bilhões de euros em perdas", disse ele.

“De onde vem toda essa chuva? É uma loucura”, disse à AFP Annemarie Mueller, da cidade de Mayen, também na Renânia-Palatinado, olhando de sua varanda para o jardim inundado.
Durante a noite, a chuva “fazia tanto barulho e dada a velocidade com que a corrente descia, pensamos que ia bater na porta”, afirma.

Últimas