Internacional Cofundador da OceanGate rebate críticas sobre submersível feitas pelo diretor do filme Titanic

Cofundador da OceanGate rebate críticas sobre submersível feitas pelo diretor do filme Titanic

James Cameron acusou a empresa de ignorar alertas de segurança; empresário nega que houve imprudência no projeto

AFP

O cofundador da empresa americana OceanGate Expeditions, cujo submersível implodiu com cinco pessoas a bordo perto dos destroços do Titanic, afirmou, nesta sexta-feira (23), que a segurança estava em primeiro lugar quando a companhia de exploração em águas profundas foi criada.

O diretor do famoso filme Titanic, James Cameron, acusou, nesta quinta-feira (22), a OceanGate Expeditions de ignorar os alertas de segurança depois que o piloto Stockton Rush, o outro fundador da empresa, e mais quatro pessoas morreram na implosão do submersível Titan durante a descida a quase 4.000 metros de profundidade.

Guillermo Söhnlein, empresário nascido na Argentina e estabelecido na Espanha, que fundou a OceanGate com Rush antes de abandonar a empresa, em 2013, afirmou que não participou do projeto de concepção do submersível Titan, mas negou que o amigo atuasse de forma imprudente.

"Ele era extremamente comprometido com a segurança", declarou à emissora britânica Times Radio. "Ele também era muito diligente na gestão de riscos e bastante consciente dos perigos de operar em um ambiente oceânico profundo."

"Esta foi uma das principais razões pelas quais concordei em fazer negócios com ele em 2009", afirmou.

Söhnlein recordou que o próprio Cameron fez várias descidas em submersíveis — mais de 30 — até os destroços do Titanic, no Atlântico Norte, e até o ponto mais profundo da Terra, a fossa das Marianas, no oceano Pacífico.

"Eu acho que ele foi questionado sobre um risco similar e disse: 'Olha, se algo acontecer nessa profundidade, será catastrófico em questão de microssegundos'", declarou. "A implosão acontece em velocidades quase supersônicas, e você basicamente estaria morto antes que seu cérebro pudesse processar que algo estava errado", acrescentou.

Soehnlein enfatizou, no entanto, que é muito cedo para afirmar o que aconteceu com o Titan e que é muito complicado formular regras globais para os submersíveis projetados para navegar em grandes profundidades.

Porém, a exploração em águas profundas deve continuar, apesar da tragédia, disse o empresário.

"Assim como na exploração espacial, a melhor maneira de preservar as memórias e os legados dos cinco exploradores é conduzir uma investigação, descobrir o que deu errado, tirar as lições aprendidas e seguir em frente", concluiu.

Últimas