Internacional Coreia do Norte dispara mísseis balísticos antes de visita de vice dos EUA à Coreia do Sul

Coreia do Norte dispara mísseis balísticos antes de visita de vice dos EUA à Coreia do Sul

Sul-coreanos e norte-americanos acreditam que Pyongyang tenha a intenção de executar um ataque nuclear nos próximos meses

AFP

Resumindo a Notícia

  • Coreia do Norte fez teste com mísseis dias antes da vice dos EUA visitar a Coreia do Sul
  • Segundo o exército da Coreia do Sul, ao menos dois mísseis foram disparados
  • Inteligência de países acreditam que norte-coreanos realizarão teste nuclear em breve
Sul-coreanos acompanharam pela TV o lançamento dos vizinhos da Coreia do Norte

Sul-coreanos acompanharam pela TV o lançamento dos vizinhos da Coreia do Norte

Jung Yeon-je/AFP - 28.9.2022

A Coreia do Norte disparou dois mísseis balísticos de curto alcance nesta quarta-feira (28), pouco antes de uma visita da vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, à Coreia do Sul.

Os lançamentos foram os mais recentes de um número recorde de testes executados neste ano pela Coreia do Norte. O serviço de inteligência da Coreia do Sul já alertou que Pyongyang está muito perto de anunciar um novo teste nuclear.

O exército da Coreia do Sul informou que detectou "dois mísseis balísticos de curto alcance disparados a partir de Sunan, na capital Pyongyang".

"Nossos militares reforçaram a vigilância e a supervisão, com um estado de alerta máximo em coordenação estreita com os Estados Unidos", afirmou o Estado-Maior Conjunto de Seul em um comunicado.

A Guarda Costeira do Japão também alertou para o possível lançamento de um míssil balístico, com base em informações do ministério nipônico da Defesa, e pediu atenção às embarcações. Os Estados Unidos também condenaram os lançamentos, embora tenham dito seguir abertos a um diálogo com Pyongyang.

"Esses lançamentos são uma violação de múltiplas resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas e são uma ameaça aos vizinhos (do Norte) e à comunidade internacional", indicou um porta-voz do Departamento de Estado.

"Seguimos comprometidos com uma abordagem diplomática com a Coreia do Norte e chamamos a Coreia do Norte para participar do diálogo", acrescentou.

Os disparos aconteceram depois de um teste norte-coreano no domingo e na véspera da chegada da vice-presidente dos Estados Unidos a Seul, uma viagem que incluirá uma visita à militarizada fronteira entre Coreia do Norte e Coreia do Sul.

A Casa Branca afirmou que a visita de Harris é uma forma de ressaltar a importância da aliança com a Coreia do Sul. Seul é um aliado crucial de Washington, que mantém 28.500 militares no território sul-coreano para ajudar o país na proteção contra a Coreia do Norte.

Estados Unidos e Coreia do Sul alertam há vários meses que o líder norte-coreano, Kim Jong Un, prepara um novo teste nuclear.

Nesta quarta-feira, a agência de espionagem de Seul afirmou que Pyongyang parece ter concluído "um terceiro túnel no complexo nuclear de Punggye-ri", informou o congressista Yoo Sang-bum após uma reunião com funcionários do serviço de inteligência.

A Coreia do Norte provavelmente escolherá um momento entre o próximo "Congresso do Partido Comunista da China, em 16 de outubro, e as eleições de meio de mandato nos Estados Unidos, em 7 de novembro", para o próximo teste, afirmou Yoo.

O isolado regime comunista executou seis testes nucleares desde 2006. O mais recente, e mais potente de todos, aconteceu em 2017, no que Pyongyang apresentou como uma bomba de hidrogênio, com potência calculada de 250 quilotons.

Seul também detectou sinais de que o Norte está se preparando para lançar um míssil balístico a partir de um submarino, informou o gabinete presidencial no sábado, um tipo de arma que Pyongyang testou pela última vez em maio.

"O lançamento de hoje demonstra a intenção do Norte de assumir vantagem na Península com um arsenal nuclear a sua disposição", afirmou à AFP Kim Jong-dae, do Instituto Yonsei, especializado em Coreia do Norte.

A repetição dos testes "antecipa a postura agressiva de Pyongyang no próximo mês, com lançamentos de mísseis e um possível teste nuclear", acrescentou.

Últimas