Coreia do Sul conclui reabertura de escolas em meio a incerteza

Salas de aula foram abertas para aproximadamente 1,35 milhão de alunos, de acordo com o plano gradual elaborado pelas autoridades

Coreia do Sul concluiu hoje (8) a última fase da reabertura gradual das escolas

Coreia do Sul concluiu hoje (8) a última fase da reabertura gradual das escolas

Yonhap / EFE-EPA - 27.5.2020

A Coreia do Sul concluiu nesta segunda-feira (8) a última fase da reabertura gradual das escolas, em meio a dúvidas sobre o aumento de casos do novo coronavírus na região de Seul, a mais populosa do país.

As salas de aula foram abertas para aproximadamente 1,35 milhão de alunos pertencentes ao primeiro ano do ensino médio e ao quinto e sexto ano do ensino fundamental, os últimos a ingressar na escola de acordo com o plano gradual elaborado pelas autoridades sul-coreanas.

A reabertura de hoje completa o regresso à escola de cerca de 5,95 milhões de estudantes sul-coreanos em idade pré-escolar e escolar, mais de três meses após o começo do ano acadêmico, marcado inicialmente para o mês de março.

Antes do início da reabertura física das salas de aula, o curso continuou em abril, completamente on-line.

Embora a Coreia do Sul seja um dos países que melhor administrou a pandemia, o retorno às escolas levantou dúvidas em muitos pais, especialmente na região da capital, onde residem cerca de 26 milhões (mais da metade da população nacional) e onde mais de 90% dos novos casos diários estão concentrados.

A Coreia do Sul registrou hoje 38 casos, dos quais 33 eram infecções locais, todos concentrados na área em torno de Seul.

Dados do Ministério da Educação sul-coreano, publicados na última sexta-feira (5), mostram que o contágio nas escolas por enquanto é mínimo — seis alunos e quatro professores ou funcionários — desde o início da reabertura.

Cada uma das escolas em que houve resultados positivos foi fechada por dias até que todos os alunos e funcionários tenham sido testados e aqueles que mantiveram contato direto com a pessoa infectada foram colocados em quarentena.

Pandemia aumenta demanda por desinfecção de espaços públicos