Internacional Cuba: lojas estatais são saqueadas em meio a protestos

Cuba: lojas estatais são saqueadas em meio a protestos

Manifestantes quebraram vidraças para invadir os locais que vendem comida e produtos básicos em moeda estrangeira

Agência EFE
Manifestante preso durante mobilização popular que ocupou as ruas da capital de Cuba

Manifestante preso durante mobilização popular que ocupou as ruas da capital de Cuba

Ernesto Mastrascusa/EFE

Várias lojas estatais que vendem comida e produtos básicos em moeda estrangeira foram saqueadas no domingo (11), em meio à inédita onda de protestos contra o governo de Cuba.

Vídeos mostram grupos de pessoas quebrando vidraças de lojas e lançando alimentos em direção à rua, enquanto outros levam caixas inteiras.

Cuba reconhece crise sanitária, mas recusa corredor humanitário

Testemunhas afirmaram à Agência Efe que no município de Cárdenas, na província de Matanzas, foi saqueada uma loja de pagamento em divisas, comércios cuja abertura causou grande mal-estar entre a população. Imagens nas redes sociais mostraram um incidente similar na cidade de Güines, em Artemisa.

As informações sobre a situação do país e os locais das manifestações e distúrbios ainda estão desencontradas devido aos constantes cortes do serviço de internet e telefonia móvel, que depende de um monopólio estatal.

Durante os protestos, um dos gritos mais frequentes é o de "abaixo as lojas MLC", em referência às lojas em "moeda livremente conversível" que se multiplicaram pelo país no último ano. Muitos cubanos não têm acesso a esses estabelecimentos porque não são remunerados em dólares ou euros.

As manifestações surgiram em um momento de forte crise em Cuba, que sofre com a escassez de medicamentos e produtos básicos, além de passar pela terceira e pior onda de covid-19 até então.

Últimas