Internacional Discípula de Charles Manson sai da prisão em liberdade condicional

Discípula de Charles Manson sai da prisão em liberdade condicional

Leslie Van Houten ficou presa por mais de cinco décadas por participar de dois homicídios a mando do líder da seita

AFP

Resumindo a Notícia

  • Leslie Van Houten foi membro da seita de Charles Manson.
  • Ela foi condenada a prisão perpétua em 1978.
  • A Justiça defendia a liberdade de Leslie desde 2016.
  • Após anos sendo vetado, o direito foi concedido a ela nesta terça-feira.
Leslie Van Houten deixa a prisão após mais de cinco décadas

Leslie Van Houten deixa a prisão após mais de cinco décadas

Reprodução/Twitter - 12.07.2023

Uma das integrantes da seita liderada por Charles Manson saiu em liberdade condicional da prisão, nesta terça-feira (11), nos Estados Unidos, após mais de cinco décadas atrás das grades por sua participação em dois homicídios, informaram as autoridades e sua advogada.

Leslie Van Houten, de 73 anos, "foi colocada em liberdade condicional esta manhã e encontra-se a salvo em um centro de transição", disse à AFP sua advogada, Nancy Tetreault.

O Departamento de Correções e Reabilitação da Califórnia confirmou em nota que Van Houten "foi libertada sob supervisão em 11 de julho de 2023".

"Ela ficará em liberdade condicional por um prazo máximo de três anos, e depois de um ano fará uma revisão", acrescentou o departamento, que não forneceu mais detalhes nem as condições específicas do caso por motivos de segurança.

Van Houten estava detida na prisão de mulheres de Corona, na Califórnia.

Tetreault detalhou que sua cliente "passará um ano em um centro de transição desenvolvendo habilidades para enfrentar um mundo que mudou muito nas últimas cinco décadas".

Van Houten "também irá procurar emprego em áreas que tenham por base a licenciatura e o mestrado que obteve na prisão", acrescentou Tetreault, que se disse "muito satisfeita" com a celeridade do processo.

Van Houten tinha 19 anos quando se juntou à "Família Manson", uma seita liderada pelo psicopata responsável pela morte da atriz Sharon Tate. Grávida de oito meses, a esposa do diretor Roman Polanski foi assassinada em Los Angeles em 1969.

Ela não participou deste crime que comoveu os Estados Unidos, mas sim do homicídio de Leno e Rosemary LaBianca na noite seguinte, também na Califórnia.

A mulher, que admitiu ter esfaqueado cerca de 15 vezes nas costas uma das vítimas, foi inicialmente condenada à morte em 1971. Mas acabou recebendo uma sentença de prisão perpétua em 1978.

Charles Manson morreu na prisão em novembro de 2017.

Desde 2016, a Justiça americana se pronunciou cinco vezes a favor de conceder a liberdade condicional, mas o ex-governador da Califórnia, Jerry Brown, e seu sucessor Gavin Newsom, atualmente no cargo, exerceram seu poder de veto.

Em maio, um tribunal de apelações anulou o último veto de Newsom. A decisão afirma que Van Houten mostrou "esforços de reabilitação extraordinários, perspicácia, arrependimento, planos realistas de liberdade condicional, apoio da família e amigos, relatórios institucionais favoráveis".

Apesar de "decepcionado" com essa decisão, o governador desistiu de contestá-la, informou um porta-voz de seu gabinete na semana passada.

Últimas