Internacional Discussões entre Alemanha, Rússia, Ucrânia e França sobre a crise no leste ucraniano voltarão em março

Discussões entre Alemanha, Rússia, Ucrânia e França sobre a crise no leste ucraniano voltarão em março

Representantes dos países se reuniram nesta quinta-feira (10), em Berlim, por cerca de nove horas e meia

AFP
Membro das Forças Armadas ucranianas em posição de combate na região de Donetsk

Membro das Forças Armadas ucranianas em posição de combate na região de Donetsk

Oleksandr Klymenko/Reuters - 10.02.2022

Os representantes da Alemanha, Rússia, Ucrânia e França concordaram em voltar a se reunir em março para tratar da crise ucraniana, após um primeiro encontro com discussões "difíceis" — anunciou o governo alemão nesta sexta-feira (11).

Seus delegados se reuniram nesta quinta-feira (10), em Berlim, por cerca de nove horas e meia.

"Essas discussões foram difíceis e permitiram destacar as diferentes posições e as diferentes opções para uma solução", disseram fontes da diplomacia da Alemanha e da França.

Na avaliação de Moscou, elas não levaram a resultados. "Todos fomos testemunhas de que a reunião dos conselheiros políticos sob o formato 'Normandia' não levou a resultado algum", declarou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, nesta sexta-feira.

Segundo o porta-voz, os representantes foram "incapazes" de fazer a "mesma leitura do mesmo texto", em uma referência aos acordos de paz de Minsk firmados em 2015, que buscam pôr fim ao conflito no leste da Ucrânia. Conforme a ONU, já são mais de 13 mil mortos em oito anos de combates.

"Infelizmente, a parte ucraniana faz o que quer que seja para não cumprir os compromissos estabelecidos nesses acordos", criticou Peskov.

Na quinta-feira à noite, o negociador ucraniano Andriy Yermak já havia reconhecido a ausência de convergência entre as partes.

"Não conseguimos chegar a um acordo para um documento comum", declarou Yermak, ressaltando, no entanto, que eles continuarão trabalhando.

"Todo mundo tem vontade de obter um resultado", afirmou. "Todos expressaram sua fidelidade absoluta ao cessar-fogo, independentemente das condições. Isso é muito importante", destacou Yermak.

Esse encontro aconteceu em meio às crescentes tensões com a Rússia, acusada por países ocidentais de instalar tropas na fronteira com a Ucrânia com vista a uma nova operação contra o país vizinho.

A Rússia nega as acusações e afirma que está apenas buscando garantir sua segurança e  impedir que a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) continue se expandindo em direção às suas fronteiras.

Esse formato de mediação entre Rússia e Ucrânia administrado por Alemanha e França levou aos acordos de Minsk. Kiev e Moscou se acusam mutuamente de violar o pacto.

Após uma pausa de vários meses, o diálogo entre esses países foi relançado em Paris no fim de janeiro, no âmbito dos esforços diplomáticos para obter uma desescalada da crise na Ucrânia.

Os quatro países vão se reunir em março, após um encontro entre Rússia, Ucrânia e a Osce (Organização para Segurança e Cooperação na Europa), instância conhecida como Grupo de Contato Trilateral.

Desde 2014, os quatro países formam um grupo de diálogo conhecido como o formato da "Normandia", dedicado ao processo de paz no leste da Ucrânia.

Últimas