Internacional Eleição no México é marcada por quatro assassinatos neste domingo

Eleição no México é marcada por quatro assassinatos neste domingo

Resultado das eleições gerais deve ser anunciado ainda nas primeiras horas desta segunda-feira (2)

Eleição no México teve quatro assassinatos

Quatro pessoas foram mortas neste domingo (1º)

Quatro pessoas foram mortas neste domingo (1º)

Daniel Becerril/REUTERS - 01.07.2018

As eleições gerais no México, que reúnem 89,1 milhões de eleitores neste domingo (1º), marcam também a campanha política com maior número de mortes e agredidos.

De acordo com informações do jornal mexicano El Universal, quatro pessoas foram assassinadas durante as votações. Uma mulher de 49 anos, identificada como ativista do Partido del Trabajo, foi assassinada no município de Contepec. Ainda de acordo com a publicação, policiais informaram que um grupo armado chegou disparando na casa da vítima. Ela foi baleada, levada ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

A segunda vítima é um simpatizante do PRI (Partido Revolucionário Institucional) que morreu em uma suposta briga com simpatizantes do (PAN Partido de Ação Nacional). A morte foi informada por meio do Twitter do PRI Nacional. Pouco tempo depois, o CDE (Comitê Diretor Estadual) do partido lamentou a morte do rapaz.

Ainda segundo o jornal, um simpatizante do Morena (Movimiento Regeneración Nacional) foi assassinado por um simpatizante do Partido Verde. Representantes de partidos políticos e do IEPEC (Instituto de Eleições e Participação Cidadã) confirmaram o assassinato do homem identificado como Prisciliano Hernández.

Jenny “N” foi a quarta vítima no dia de eleição no México. Ela morreu no município de Cárdenas. A polícia ainda investiga se a morte da jovem tem motivação política.

Eleição

Os resultados da eleição do México, segundo informações das agências de notícias e da Justiça Eleitoral, só devem ser conhecidos nas primeiras horas desta segunda-feira (2).

A consultoria Etellekt informou que foram mais de 140 políticos assassinados e pelo menos 627 agredidos. Há denúncias, que estão em processo de investigação, de compra de votos e também de propaganda eleitoral fora da lei, principalmente nas redes sociais.

Líderes partidários e forças de segurança de seis estados do México têm relatado casos de ameaças a eleitores e desvios de conduta de políticos. Um dos casos investigados envolvem cédulas alteradas e ausência de informação oficial às autoridades eleitorais.

Disputam a Presidência da República, cujo mandato é de 6 anos, os seguintes candidatos: Andrés Manuel López Obrador (Coalizão Juntos Faremos História: Morena, PT, PES), José Antonio Meade (Coalizão Todos por México: PRI, PVEM, PANAL), Ricardo Anaya Cortés (Coalizão Por México al Frente: PAN, PRD, Movimento Cidadã) e Jaime Heliodoro Rodríguez Calderón (Independente).

As eleições no México são consideradas as maiores e mais importantes do país desde 1910, porque, além do presidente, os mexicanos elegem 128 senadores e 17.628 cargos em oito governos.

*Com informações da Justiça Eleitoral do México, Telesur, emissora pública de televisão da Venezuela, e ABI, agência pública de notícias da Bolívia.