Equipe de resgate descarta sinais de vida em escombros de Beirute

Chefe dos voluntários explicou que respiração detectada era de outras equipes de resgate que estavam naquele dentro do prédio que desmoronou

Explosão em Beirute causou mais de 190 mortes

Explosão em Beirute causou mais de 190 mortes

Wael Hamzeh/EFE/EPA - 28.08.2020

Uma equipe de resgate do Chile que viajou ao Líbano em busca de corpos após a devastadora explosão na capital Beirute no início de agosto, descartou definitivamente que haja sinais de vida nos escombros de um prédio onde alguns dias eles acreditaram ter detectado uma pessoa respirando.

"Tecnicamente, não há sinais de vida", declarou neste domingo (6) o chefe do grupo de voluntários chilenos, Francisco Lermanda, à ANN (Agência Nacional de Notícias) do Líbano. Ele explicou que respiração detectada na última quinta-feira era de outras equipes de resgate que estavam naquele momento dentro do prédio que desmoronou.

Veja o tamanho da área afetada pela megaexplosão em Beirute

Identificado por um cão farejador, os técnicos usaram um scanner de temperatura e ruído para investigar e consideraram a possibilidade de haver dois corpos com pulsações muito fracas e uma respiração em um deles, então eles começaram a escavar três túneis para chegar ao local onde as pessoas poderiam estar.

O precedente do terremoto no Haiti em 2010, onde encontraram uma pessoa viva após 28 dias presa nos escombros, deu a equipe alguma esperança. Porém, após três dias de trabalho, eles descartaram a possibilidade de encontrar alguém vivo naquele local.

Pelo menos três pessoas ainda estão desaparecidas por conta da tragédia que abalou a capital libanesa, quando 2,75 mil toneladas de nitrato de amônio explodiram no porto de Beirute, causando grandes danos a vários bairros nos arredores.

Até o momento, foram confirmados 191 óbitos e mais de 6.500 feridos. Além disso, 300 mil pessoas ficaram desabrigadas.