Internacional 'Esses massacres precisam parar', diz Kamala após ataque no Colorado

'Esses massacres precisam parar', diz Kamala após ataque no Colorado

Vice-presidente criticou a venda de armas de assalto após jovem invadir supermercado e matar 10 pessoas

  • Internacional | Da EFE

Biden já havia se pronunciado sobre os tiroteios recentes

Biden já havia se pronunciado sobre os tiroteios recentes

EFE/EPA/SHAWN THEW

A vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, insistiu nesta quarta-feira (24) para que o Congresso faça algo contra a violência armada no país, ao reconhecer que a capacidade da Casa Branca para conter o problema é limitada e que não haverá uma solução "duradoura" sem a aprovação de leis.

Em entrevista concedida à emissora "CBS News", Kamala expressou sua frustração pela falta de ação na última década para prevenir os tiroteios em massa que ocorrem com regularidade nos EUA, e que só em uma semana deixou 18 mortos em Atlanta, na Geórgia, e Boulder, no Colorado.

Leia mais: Navio encalha e paralisa circulação no Canal de Suez, no Egito

"Não há nenhuma razão para termos armas de assalto nas ruas de uma sociedade civilizada. São armas de guerra. Esses massacres precisam parar", comentou Harris.

Após o tiroteio que deixou dez mortos em um supermercado de Boulder e os que mataram oito pessoas na semana passada em Atlanta, a Casa Branca retomou o debate sobre o controle de armas.

O presidente americano, Joe Biden, pediu na terça-feira (23) a proibição das armas de assalto e dos carregadores de munições de grande capacidade, e aprovou dois projetos de lei que "fechariam as lacunas da lei no sistema de verificação de antecedentes" dos compradores de armas.

Contudo, é altamente improvável que qualquer uma dessas medidas obtenha os 60 votos necessários para passar pelo Senado, onde a leve maioria democrata teria de convencer dez republicanos a se juntarem à iniciativa.

Leia mais: Alemanha anulará restrições que seriam impostas em abril

Questionada sobre o assunto, Kamala insistiu que continua confiante que o Congresso agirá, e que os republicanos deixarão de lado suas "falsas" advertências, porque ninguém fala em "livrar-se da Segunda Emenda" da Constituição, que garante o direito de portar armas.

"Estamos apenas dizendo que precisamos de leis razoáveis de segurança para o uso de armas. Temos que esperar o Congresso agir primeiro. Se queremos realmente algo duradouro, temos de aprovar a legislação. Não estou disposta a desistir, vamos fazer o que temos de fazer para apelar aos corações e mentes e ao raciocínio dos membros do Senado", frisou.

Últimas