Estados Unidos

Internacional EUA pedem que Bolsonaro cancele viagem à Rússia, diz fonte

EUA pedem que Bolsonaro cancele viagem à Rússia, diz fonte

Ministro das Relações Exteriores, Carlos França, teria desmentido qualquer tipo de interferência americana em viagem presidencial

Reuters
Bolsonaro afirma que não pretende falar sobre a Ucrânia em encontro com Putin

Bolsonaro afirma que não pretende falar sobre a Ucrânia em encontro com Putin

Adriano Machado/Reuters

O governo dos Estados Unidos apelou para que o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, cancele uma visita ao presidente da Rússia, Vladimir Putin, em razão do aumento de tensões por conta da presença de tropas russas próximo à Ucrânia, afirmou uma pessoa familiarizada com o assunto à Reuters.

A pressão diplomática parece ser parte de uma iniciativa global dos Estados Unidos para isolar a Rússia em meio a preocupações com um possível conflito na Ucrânia.

Para Bolsonaro, que perdeu o aliado mais importante após a derrota eleitoral do ex-presidente americano Donald Trump, a viagem, planejada para este mês, representa uma chance de estabelecer uma presença global, visando a reeleição neste ano.

Autoridades americanas temem que a viagem a Moscou possa encorajar Putin enquanto ele participa de negociações para evitar uma invasão, disse a fonte, que não está autorizada a falar publicamente.

"Não é uma boa hora para ir", disse a fonte. Ela acrescentou que as autoridades americanas haviam "tentado dissuadir Bolsonaro de fazer a viagem", ressaltando que isso pode se mostrar um erro de cálculo.

O Departamento de Estado dos EUA e a Casa Branca não responderam de imediato a um pedido de comentários. O Ministério das Relações Exteriores do Brasil também se negou a comentar a questão.

Um diplomata brasileiro, que pediu para não ser identificado, disse que a viagem de Bolsonaro ainda estava confirmada, e que o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, não pressionou o Brasil a cancelar a viagem ao conversar com o ministro das Relações Exteriores, Carlos França, no domingo (30).

"Não houve qualquer conversa sobre cancelamento", afirmou. Segundo ele, os Estados Unidos sabem que a visita de Bolsonaro a Moscou só vai tratar de questões comerciais.

Nesta segunda-feira (31), Bolsonaro disse que espera que a crise na Ucrânia seja resolvida "em harmonia". Em entrevista à Record TV, transmitida nas redes sociais, o presidente disse que não espera trazer o assunto à tona durante seu encontro com Putin, e que o foco deverá ser assuntos econômicos, como o agronegócio.

"Se esse assunto vier à pauta, será por vontade do presidente Putin", disse Bolsonaro.

O Brasil votou nesta segunda-feira a favor de uma moção dos EUA para discutir a situação ucraniana no Conselho de Segurança da ONU. Os Estados Unidos precisavam de pelo menos nove votos para seguir com a reunião do conselho após a Rússia pedir uma votação procedimental. Dez membros votaram a favor; a Rússia e a China votaram contra; e Índia, Gabão e Quênia se abstiveram.

A fonte disse que o voto do Brasil havia ajudado a atenuar os temores de que Bolsonaro pudesse assumir lado em relação à situação ucraniana, mas acrescentou que a viagem ainda é uma preocupação.

Últimas