Internacional Explosão em escola no Afeganistão deixa ao menos 16 mortos e 24 feridos

Explosão em escola no Afeganistão deixa ao menos 16 mortos e 24 feridos

Médico informou que as vítimas são, em sua maioria, jovens; atentado ocorreu em cidade a cerda de 200 km da capital, Cabul

AFP

Resumindo a Notícia

  • Fotos e vídeos na internet mostram combatentes do Talibã perto de corpos espalhados no chão
  • Retorno do Talibã ao poder em 2021 encerrou duas décadas de guerra no Afeganistão
  • No entanto, houve dezenas de ataques contra civis, a maioria reivindicada pelo EI-K
  • Talibã muitas vezes nega ou minimiza os incidentes relatados nas redes sociais
Bandeira do Afeganistão é vista nos Estados Unidos

Bandeira do Afeganistão é vista nos Estados Unidos

Liz Lynch / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP

Ao menos 16 pessoas morreram e outras 24 ficaram feridas nesta quarta-feira (30) por uma explosão em uma madraça (escola muçulmana) na cidade de Aybak, no norte do Afeganistão, informou um médico de um hospital local.

O médico da cidade, localizada a cerca de 200 km ao norte da capital, Cabul, informou que as vítimas são, em sua maioria, jovens.

"São todos crianças e pessoas comuns", disse à AFP o médico de Aybak, capital da província de Samangan, e que pediu para não ser identificado.

Uma autoridade provincial confirmou a explosão, mas não forneceu o número de vítimas nem informações sobre as circunstâncias.

"Nossos investigadores e forças de segurança estão trabalhando rapidamente para identificar os perpetradores desse crime imperdoável e puni-los por suas ações", tuitou o porta-voz do Ministério do Interior, Abdul Nafay Takor.

Fotos e vídeos postados nas redes sociais, que não puderam ser imediatamente autenticados, mostram combatentes do Talibã perto de corpos espalhados pelo chão de um prédio, marcados com sangue. Também é visível uma sala com tapetes de oração, cacos de vidro e outros detritos.

O retorno do Talibã ao poder, em agosto de 2021, encerrou duas décadas de guerra no Afeganistão e marcou uma redução significativa da violência.

No entanto, houve dezenas de ataques contra civis, a maioria reivindicada pelo ramo local do grupo Estado Islâmico (EI-K).

Ameaça ao regime talibã


O Talibã afirma estar no controle da segurança no país e muitas vezes nega ou minimiza os incidentes relatados nas redes sociais.

No entanto, analistas acreditam que os jihadistas do EI — um grupo sunita, como o Talibã, mas com o qual este último mantém uma profunda inimizade e diferenças ideológicas — continuam sendo a principal ameaça ao seu regime.

Em 5 de outubro, pelo menos quatro pessoas morreram em uma explosão em uma mesquita do Ministério do Interior em Cabul.

Alguns dias antes, em 30 de setembro, um atentado suicida em um centro de treinamento para exames universitários em Cabul matou 54 pessoas, incluindo pelo menos 51 jovens, segundo a ONU. O ataque ocorreu em um bairro povoado pela minoria xiita hazara.

Ninguém assumiu a responsabilidade pelo atentado, mas o governo afegão culpou o IS-K.

Em meados de outubro, as forças de segurança afegãs anunciaram a morte de seis membros do IS-K, acusados ​​de participar desse ataque e de outro, a uma mesquita em Cabul.

Em 23 de setembro, pelo menos sete pessoas morreram em um ataque com carro-bomba perto dessa mesquita da capital, frequentada por altos funcionários e combatentes do Talibã.

Desde que o grupo voltou ao poder, em agosto do ano passado, houve dezenas de explosões e ataques a civis, a maioria reivindicada pelo ramo local do grupo Estado Islâmico.

Últimas