Internacional Filipinas: sobe para 375 o número de mortos após passagem de tufão

Filipinas: sobe para 375 o número de mortos após passagem de tufão

Fenômeno foi um dos mais letais a atingir o país nos últimos anos e resultou ainda em ao menos 500 feridos e 56 desaparecidos

AFP
Moradores tentam resgatar pertences na província de Bohol após o tufão Rai atingir as Filipinas

Moradores tentam resgatar pertences na província de Bohol após o tufão Rai atingir as Filipinas

Dave Responte/AFP - 17.12.2021

Cerca de 375 pessoas morreram na passagem do Rai pelas Filipinas, um dos tufões mais letais a atingir o país nos últimos anos, enquanto prosseguem os esforços para levar alimentos e água às ilhas devastadas. 

De acordo com a polícia, ao menos 500 pessoas ficaram feridas e 56 desapareceram depois que o tufão Rai varreu o sul e o centro do arquipélago.

A Cruz Vermelha filipina relatou um "desastre total" nas áreas costeiras atingidas pelo Rai, com casas, hospitais e escolas "destruídos".  

Mais de 300 mil pessoas abandonaram suas casas e hotéis de praia. Várias áreas ficaram sem comunicação e sem energia elétrica, enquanto em outros lugares telhados foram arrancados e postes de luz, derrubados. 

"Nossa situação é desesperadora", declarou Ferry Asuncion, vendedor da cidade de Surigao, devastada pela tempestade.

Arthur Yap, governador da ilha de Bohol, um popular destino turístico, informou que a localidade registrou 80 mortes.

Nas ilhas Dinagat, o porta-voz da delegação provincial, Jeffrey Crisostomo, disse à AFP que o número de pessoas que perderam a vida subiu para dez.

O balanço total de mortes no país devido ao tufão pode aumentar, à medida que as agências governamentais avaliem a dimensão do desastre. 

O Rai atingiu as Filipinas na última quinta-feira (17) com ventos de 195 km/h. Milhares de policiais, militares, agentes da Guarda-Costeira e bombeiros continuam mobilizados para ajudar nas buscas e resgates nas áreas atingidas.

No último sábado (18), o tufão se afastou, avançando pelo Mar da China Meridional e, no domingo (19), estava ao largo da costa do Vietnã, movendo-se para o norte. 

Retroescavadeiras e tratores foram usados para ajudar a desobstruir estradas bloqueadas pela queda de postes e árvores.

Uma avaliação aérea dos danos ao norte de Bohol deixou "muito claro" que as pessoas sofreram bastante em termos de casas destruídas e perdas agrícolas, disse Arthur Yap, governador de Bohol. Ele declarou estado de emergência na ilha. O tufão também causou destruição generalizada nas ilhas de Siargao, Dinagat e Mindanao. 

Os ventos do Rai caíram para 150 km/h, enquanto o tufão avança pelo país em chuvas torrenciais, arrancando árvores e destruindo estruturas de madeira. 

A governadora de Dinagat, Arlene Bag-ao, afirmou no sábado que os danos à ilha "são uma lembrança, igual ou pior", da destruição provocada pelo supertufão Haiyan, em 2013. 

Haiyan é o ciclone mais mortal já registrado nas Filipinas, com mais de 7.300 pessoas mortas ou desaparecidas.

Últimas