Internacional Funeral de cantor termina com dois mortos e sete feridos na Etiópia

Funeral de cantor termina com dois mortos e sete feridos na Etiópia

Segundo relatos, as vítimas foram baleadas por forças policiais enquanto tentavam acompanhar o funeral do artista na cidade de Ambo

  • Internacional | Do R7

Forças militares patrulham as ruas de Adis Abeba após protestos pela morte do cantor

Forças militares patrulham as ruas de Adis Abeba após protestos pela morte do cantor

Tiksa Negeri/ Reuters/ 02.07.2020

Duas pessoas morreram e outras sete ficaram feridas no funeral do popular cantor e compositor oromo Hachalu Hundessa. A cerimônia acontecia na cidade de Ambo, sob forte esquema de segurança, também teve tumulto. As vítimas teriam sido baleadas por militares ao tentar acompanhar o funeral do artista. A informação é da Al Jazeera.

Leia mais: Protestos por morte de cantor terminam com 81 mortos na Etiópia

Famoso por suas canções de protesto político pró-Oromia, Hachalu, de 34 anos, foi morto a tiros no bairro Akaki Kality, na região sul da capital etíope. Ele chegou a ser socorrido e levado para um hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

Embora a polícia tenha aberto uma investigação e vários suspeitos estejam sob custódia, protestos violentos de apoiadores do cantor têm sido repetidos em Adis Abeba e outras cidades de Oromia, onde o acesso à internet tem sido restrito.

Segundo um médico da região, uma multidão tentou prestar a última homenagem ao líder oromo, mas foi impedida por militares que dispararam contra as pessoas. Já Filenbar Uma, integrante da Frente de Libertação Oromo de Ambo, acredita que o número de vítimas pode ser ainda maior.

O assassinato do cantor, que havia revelado que vinha recebendo ameaças de morte, foi condenado pelo primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, da mesma etnia.

A letra de Hachalu frequentemente abordava os direitos dos oromos e desempenhava um papel importante na onda de protestos que levou à ascensão ao poder da Abiy, que resultou na renúncia do primeiro-ministro Hailemariam Desalegn em 2018.

Últimas