Internacional Governo do Chile acusa K-pop de incentivar e fomentar protestos

Governo do Chile acusa K-pop de incentivar e fomentar protestos

Em relatório formulado pelo Ministério do Interior, foram analisados o comportamento dos usuários nas redes sociais por mais de um mês

Governo chileno acusa k-pop de incentivar protestos

Governo chileno acusa k-pop de incentivar protestos

Divulgação/ BigHit Entertainment

O Ministério do Interior do Chile entregou neste domingo (22) um relatório apontando os culpados por incentivar e fomentar os protestos no país. Entre os acusados, está o K-pop.

A análise de 112 páginas será entregue Ministério Público e aponta o comportamento das redes sociais desde o dia 18 de outubro.

O ministro do Interior, Gonzalo Blumel, disse que “entregou informação extraordinariamente sofisticada a partir de análise com tecnologias de big data”, segundo o jornal chileno La Tercera, que teve acesso ao documento.

Os  acusados

Segundo o jornal, o relatório contém uma análise do comportamento de quase 5 milhões de usuários, que geraram cerca de 60 milhões de comentários entre os dias 18 de outubro — quando o governo invocou a Lei de Segurança do Estado — até o dia 21 de novembro.

Com as informações, o governo apurou que 19,3% dos comentários vieram de fora do Chile e identificou cinco grupos de opinião e influência que incentivaram os protestos, algum vindos de autores internacionais.

O k-pop aparece sendo acusado de “ridicularizar” e tratar com ironia o que motivou os protestos seja Nicolás Maduro, presidente da Venezuela.

O canal de televisão russo Actualidad RT e a rede venezuelana TeleSur são citadas no documento como os responsáveis por começar a impactar as conversas nas redes sociais desde o dia 19 de outubro.

A ideologia kirchenirista e o peronismo, da Argentina, aparecem por ter questionado o modelo econômico neoliberal do Chile, criticado pelos manifestantes, que dizem que é o responsável por gerar a desigualdade no país.

A cantora chilena Mon Laferte e a comediante Paola Molina também são citadas no documento.

O Chile e o k-pop

O ritmo pop sul-coreano é extremamente popular nas redes sociais e o Chile é um dos países latino-americanos mais aficionados pelo gênero nas redes sociais.

Grupos reúnem milhares de seguidores, assuntos relacionados ao estilo musical sempre aparecem entre os mais comentados e o BTS, principal nome do k-pop, é há mais de um ano o artista com o maior número de menções e interações no Twitter há 157 semanas consecutivas.

Neste ano, o Chile recebeu em janeiro o SMTown, festival da empresa SM Entertainment, que trouxe artistas inéditos na América do Sul, como NCT e Red Velvet. No ano passado, o país também trouxe artistas como Wanna One e Twice, extremamente populares na Coreia do Sul, para um festival.