Internacional Haiti entra em greve geral contra insegurança e sequestros

Haiti entra em greve geral contra insegurança e sequestros

Sequestro de grupo de estrangeiros faz associações convocarem uma paralisação nacional por medo da violência

AFP
Moradores queimaram pneus em uma rua de Porto Príncipe, capital do Haiti

Moradores queimaram pneus em uma rua de Porto Príncipe, capital do Haiti

Richard Pierin/AFP - 18.10.2021

As ruas de Porto Príncipe ficaram vazias nesta segunda-feira (18) em um dia de greve nacional convocada contra a crescente insegurança, evidenciada neste fim de semana pelo sequestro de missionários americanos.

Leia também: Roubos e sequestros de estrangeiros por gangues são comuns no Haiti

O sequestro de 17 adultos e crianças por uma gangue criminosa expôs mais uma vez as dificuldades que o Haiti enfrenta desde o assassinato do presidente Jovenel Moise, que deixou um dos países mais pobres do Ocidente à beira da anarquia.

"Faz meses que pedimos ajuda, e, como não temos segurança contra sequestros, pedimos à população que suspenda todas as atividades", disse Changeux Mehu, presidente da Associação de Proprietários e Motoristas, à AFP.

"Os bandidos foram longe demais. Eles sequestram, estupram mulheres. Eles fazem o que querem", disse.

Ruas vazias

Em Porto Príncipe, lojas, escolas e repartições públicas permaneceram fechadas – segundo a mídia local, escolas funcionaram em várias outras cidades do país.

Alguns veículos da polícia circulavam pela capital nas estradas principais, relativamente tranquilas, embora um fotógrafo da AFP tenha informado sobre uma barricada de pneus queimados em uma rua.

"É como se não vivêssemos mais", disse Germain Joce Salvador, um jovem de 20 anos, no centro da cidade.

"É impossível continuar ouvindo todos os dias que um ente querido, um amigo ou outra pessoa foi sequestrado."

Lançado na semana passada por grupos empresariais e profissionais em Porto Príncipe, o chamado à greve ganhou ressonância no sábado, após o sequestro de 16 americanos e um canadense.

Os missionários trabalham para a organização Christian Aid Ministries, com sede nos Estados Unidos, que disse em um comunicado que o grupo, que inclui cinco crianças, foi sequestrado a leste da capital quando voltava de um orfanato.

"O sequestro dos americanos mostra que ninguém está seguro no país", disse Mehu. “Pagamos nossos impostos ao Estado. Em troca, pedimos segurança para que o país funcione.”

Gangues armadas, que controlam os bairros mais pobres de Porto Príncipe há anos, endureceram suas ações na cidade e em áreas periféricas onde os sequestros foram desencadeados.

"As gangues se aproveitam [do vazio] para ganhar força", disse Gedeon Jean, diretor do Centro de Análise e Pesquisa de Direitos Humanos.

Em agosto, os Estados Unidos instaram seus cidadãos a não viajarem ao Haiti devido a sequestros e problemas políticos.

O Departamento de Estado não forneceu detalhes sobre a busca pelos reféns, mas disse no sábado que a segurança dos americanos no exterior "é uma de suas principais prioridades".

Últimas