Estados Unidos

Internacional Homem armado tenta entrar em escritório do FBI e é morto nos EUA

Homem armado tenta entrar em escritório do FBI e é morto nos EUA

Incidente ocorreu em meio à indignação de conservadores pela operação realizada pela polícia americana na mansão de Trump

AFP

Resumindo a Notícia

  • Homem atirou com uma pistola de pregos e empunhava um rifle AR-15
  • Diretor do FBI denunciou ameaças contra o órgão federal após buscas na residência de Trump
  • Até agora não há indicação de que os dois eventos estejam relacionados
Sede do FBI em Cincinnati, no norte dos EUA, sofreu tentativa de invasão

Sede do FBI em Cincinnati, no norte dos EUA, sofreu tentativa de invasão

Stefani Reynolds/AFP - 9.8.2022

Um homem armado que tentou entrar em um escritório do FBI em Cincinnati, no norte dos Estados Unidos, foi morto pela polícia depois de horas de confronto nesta quinta-feira (11).

O incidente ocorreu em meio à indignação generalizada nos círculos conservadores pela operação de buscas realizada pelo FBI na mansão do ex-presidente Donald Trump na Flórida, na última segunda-feira (8), mas até agora não há indicação de que os dois eventos estejam relacionados.

A polícia federal informou que na madrugada desta quinta-feira uma pessoa armada tentou atravessar a área de controle de segurança em seu escritório na cidade de Cincinnati, no estado de Ohio.

"Após a ativação do alarme e a resposta de agentes especiais armados do FBI, o indivíduo fugiu", disse o FBI em comunicado.

A imprensa local garante que o homem atirou com uma pistola de pregos e empunhava um rifle AR-15 antes de fugir em um carro.

A polícia perseguiu o carro, informou um porta-voz. "Assim que o veículo parou, houve um tiroteio entre os policiais no local e o suspeito", disse ele.

O diretor do FBI, Christopher Wray, denunciou na última quarta-feira (10) ameaças contra o órgão federal após as buscas na residência de Trump em Mar-a-Lago, Flórida, chamando-as de "lamentáveis e perigosas".

"A violência contra a aplicação da lei não é a resposta", insistiu.

Últimas