Internacional Irã diz que Arábia Saudita não teria matado jornalista sem ajuda

Irã diz que Arábia Saudita não teria matado jornalista sem ajuda

De acordo com a mídia local, líder iraniano Hassan Rhouani afirmou que 'não acredita que um país ousaria cometer tal crime sem a proteção dos EUA'

Irã diz que Arábia Saudita não teria assassinado Khashoggi sem proteção dos EUA

Rouhani pediu que governo turco realize investigação

Rouhani pediu que governo turco realize investigação

REUTERS/Brendan Mcdermid/26.9.2018

O presidente do Irã, Hassan Rouhani, disse nesta quarta-feira (24) que a Arábia Saudita não teria assassinado o proeminente jornalista saudita Jamal Khashoggi sem a proteção dos Estados Unidos, segundo a Agência de Notícias da República Islâmica (Irna).

Na terça-feira, o presidente dos EUA, Donald Trump, disse que as autoridades sauditas realizaram "o pior acobertamento da história" no assassinato de Khashoggi na Turquia neste mês, e Washington prometeu revogar os vistos de alguns daqueles que se acredita serem responsáveis.

"Ninguém imaginaria que, no mundo de hoje e em um novo século, testemunharíamos um assassinato tão organizado e que um sistema planejaria um assassinato tão hediondo", disse Rouhani, de acordo com a Irna.

"Não acredito que um país ousaria cometer tal crime sem a proteção da América".

O Irã e a Arábia Saudita são rivais regionais e vêm apoiando lados opostos nos conflitos da Síria e do Iêmen, além de facções políticas diferentes no Iraque e no Líbano.

Leia também: Site inglês diz que restos de jornalista foram achados em jardim

A proteção dos EUA permitiu a Riad realizar bombardeios contra civis na guerra do Iêmen, disse Rouhani, segundo a Irna.

"Se não houvesse proteção americana, o povo do Iêmen teria enfrentado o mesmo bombardeio brutal?", questionou.

Rouhani ainda pediu ao governo turco para realizar uma investigação imparcial sobre o assassinato "sem precedentes" do jornalista.

Khashoggi, colunista do Washington Post e crítico do príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, desapareceu três semanas atrás depois de entrar no consulado saudita em Istambul para obter documentos para se casar.

Autoridades turcas suspeitam que Khashoggi foi assassinado e esquartejado por agentes sauditas dentro do consulado.