Internacional Maduro e aliados são condenados nos EUA a pagar mais de R$ 780 milhões a preso político torturado

Maduro e aliados são condenados nos EUA a pagar mais de R$ 780 milhões a preso político torturado

Além do presidente da Venezuela, foram sentenciados membros da sociedade civil e militar, das Farc e do Cartel de los Soles

  • Internacional | Do R7

Resumindo a Notícia

  • Presidente da Venezuela e aliados foram condenados a pagar mais de R$ 780 milhões
  • Além de Nicolás Maduro, membros de organizações como as Farc foram sentenciados
  • Juiz dos EUA condenou grupo por desacato por falta de respostas às exigências judiciais
  • Valor da indenização será dividido entre Carlos Marrón, a esposa e os filhos
Nicolás Maduro pode ter bens apreendidos, segundo decisão de juiz dos EUA

Nicolás Maduro pode ter bens apreendidos, segundo decisão de juiz dos EUA

Rayner Peña R/EFE - 23.1.2023

Um juiz federal de Miami, nos Estados Unidos, condenou o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e aliados a pagar 153 milhões de dólares (mais de R$ 780 milhões) a Carlos Marrón, um preso político que ficou 878 dias detido e alega ter sido torturado pelas autoridades do país.

Além de Maduro, o juiz Federico A. Moreno condenou integrantes da sociedade civil e militar da Venezuela, as Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e o Cartel de los Soles.

De acordo com o portal argentino Infobae, o grupo foi condenado por desacato por falta de respostas às exigências judiciais. Todos os citados deverão dividir o valor da indenização estabelecida pelo juiz, que será repartida posteriormente entre Marrón, a esposa e os filhos.

Para que a decisão seja cumprida, o tribunal de Miami estabeleceu a apreensão de bens dos envolvidos no processo.

Ainda segundo o Infobae, o venezuelano havia se exilado nos Estados Unidos, mas decidiu voltar a seu país em 2018, quando descobriu que o pai havia sido preso por autoridades locais por supostamente tentar destruir a ordem econômica do país com um site.

A prisão de Marrón foi discutida, inclusive, pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU, que concluiu que o autor do processo havia sido detido de maneira arbitrária por supostamente operar um site que publicava a taxa de câmbio do mercado ilegal entre o bolívar venezuelano e o dólar americano.

A divulgação de operações desse tipo é considerada crime na Venezuela, algo que Marrón afirma não ter feito, apesar de ser dono do site dolarpro.com. De acordo com ele, o domínio do site foi adquirido para ser vendido posteriormente — e que, de fato, está em negociação neste momento.

Em 2010, um decreto presidencial tornou ilegal a publicação de qualquer taxa de câmbio, com exceção à oficial. Todavia, opositores acreditam que essa taxa do mercado paralelo de câmbio seja utilizada por membros do governo como um meio de suborno.

Últimas