Rússia x Ucrânia

Internacional Mais de 500 cidades da Ucrânia ficam sem eletricidade após bombardeios russos

Mais de 500 cidades da Ucrânia ficam sem eletricidade após bombardeios russos

Forças da Rússia continuam atacando infraestrutura essencial do país; autoridades pediram à população que 'aguente'

AFP

Resumindo a Notícia

  • Atualmente, 507 cidades em oito regiões estão sem fornecimento de energia
  • A região de Kharkiv é a mais afetada, com 112 aldeias isoladas
  • Ucranianos ficam sem eletricidade e aquecimento em época de temperaturas negativas
  • Perspectiva de novos bombardeios russos traz a preocupação de um inverno muito difícil
Pessoas frequentam bar iluminado com velas durante uma queda de energia em Lviv

Pessoas frequentam bar iluminado com velas durante uma queda de energia em Lviv

Roman Baluk/Reuters - 24.11.2022

Mais de 500 cidades ucranianas ainda estavam sem energia neste domingo (4), depois que bombardeios russos nas últimas semanas danificaram fortemente a rede elétrica do país, disse uma autoridade do Ministério do Interior.

"O inimigo continua atacando a infraestrutura essencial do país. Atualmente, 507 cidades em oito regiões do nosso país estão sem fornecimento de energia", disse Yevgeniy Yenin, primeiro vice-ministro do Interior, à televisão ucraniana.

Em detalhe, “a região de Kharkiv é a mais afetada, com 112 aldeias isoladas; nas regiões de Donetsk e Kherson, mais de 90; na região de Mykolaiv, 82; na região de Zaporizhzhia, 76; na região de Lugansk, 43”, listou.

As autoridades ucranianas pediram no sábado (3) à população que "aguente", apesar da deterioração das condições de vida.

"Temos que aguentar", disse o governador da região sul de Mykolaiv, Vitaliy Kim. Várias vezes ao dia, os ucranianos ficam sem eletricidade e aquecimento, o que é difícil de suportar, já que as temperaturas estão negativas há alguns dias.

A perspetiva de novos bombardeios russos contra a rede energética ucraniana traz a preocupação de um inverno particularmente difícil para a população e talvez uma nova onda de civis procurem refúgio fora do país.

Últimas