Médicos expulsos da Bolívia chegam a Cuba; EUA aplaudem

Mais de 200 profissionais viajaram de volta a Havana, incluindo 4 que tinham sido detidos pela polícia em La Paz; Pompeo declarou: 'Bravo, Bolívia'

Médicos expulsos da Bolívia chegaram a Cuba nesta 2ª

Médicos expulsos da Bolívia chegaram a Cuba nesta 2ª

Ernesto Mastrascusa / EFE - 18.11.2019

Quatro médicos cubanos que haviam sido detidos na Bolívia acusados de financiarem manifestações a favor de Evo Morales desembarcaram nesta segunda-feira (18) no aeroporto de Havana. Eles viajaram no segundo comboio de cidadãos cubanos que deixam o território boliviano, junto com outros 203 profissionais de saúde.

Segundo o governo de Cuba, os médicos do país que prestam serviços na Bolívia estão sendo assediados e injustamente acusados.

VEJA TAMBÉM: Comissão de Direitos Humanos registra 23 mortos na Bolívia

O governo autoproclamado do país sul-americano não assume formalmente que tenha expulsado os cubanos de seu território, mas o Ministério das Relações Exteriores da Bolívia afirmou ter tido conversas com diplomatas de Cuba para falar sobre a saída 725 cidadãos da ilha caribenha.

Mesmo sem a expulsão oficial, os Estados Unidos aplaudiram a saída dos cidadãos cubanos da Bolívia.

EUA dizem que Bolívia fez o certo ao expulsar cubanos

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, declarou que a expulsão foi "a coisa certa a fazer".

"Cuba não estava mandando médicos ou profissionais para a Bolívia para ajudar o povo boliviano, mas sim para impulsionar o regime pró-Cuba de Evo Morales", disse Pompeo em coletiva à imprensa nos EUA. "A Bolívia agora se junta ao Brasil e ao Equador no reconhecimento de Cuba como uma ameaça à liberdade. (...) Bravo, Bolívia."

A chanceler do governo autoproclamado da Bolívia, Karen Longaric, afirmou no sábado que também solicitou a saída de todos os diplomatas venezuelanos do país.