Internacional Mesmo sem as duas pernas, ucraniano se alista para ajudar Exército na guerra

Mesmo sem as duas pernas, ucraniano se alista para ajudar Exército na guerra

Vasil Shtefko, de 55 anos, atua no campo de batalha como mecânico e motorista das tropas do país na região do Donbass

  • Internacional | Do R7

Resumindo a Notícia

  • Vasil Shtefko, de 55 anos, se alistou no exército escondido da família
  • Ucraniano escondeu deficiência nas duas pernas para ser aceito pelas Forças Armadas
  • Shtefko atua como mecânico e motorista com tropas no leste do país
Vasil Shtefko escondeu condições durante alistamento no Exército

Vasil Shtefko escondeu condições durante alistamento no Exército

Reprodução Twitter/Eugene

Vasil Shtefko, de 55 anos, virou um exemplo do patriotismo ucraniano após se alistar no Exército do país para enfrentar as tropas russas, que invadiram a Ucrânia em 24 de fevereiro. Diferentemente dos demais soldados que lutam ao seu lado, o mecânico usa próteses ortopédicas nas duas pernas.

Vasil atua no vilarejo de Kushnytsya, no leste do país, na região separatista do Donbass. Ele se alistou nas Forças Armadas sem avisar a esposa, Oksana Shtefko, que lamentou no início a atitude do marido.

“Eu não acreditei que ele havia feito isso. Eu chorei um pouco”, contou Oksana ao portal britânico Daily Star. “Em seguida voltei a comer meu pelmeni [prato típico da culinária ucraniana].”

Em 2014, quando a Rússia anexou a Crimeia e combates na região do Donbass com separatistas se iniciaram, Vasil tentou entrar nas Forças Armadas da Ucrânia. Porém, na época, seu alistamento foi rejeitado devido a sua condição física.

Desta vez, o ucraniano mentiu ao Exército e disse usar prótese apenas em uma perna. Segundo Oksana, não é possível saber, pelo caminhar do marido, que ele não tem as duas pernas, que perdeu há 17 anos, quando tinha 38 anos.

A verdade só foi descoberta no campo de batalha, quando uma das próteses do soldado se quebrou, revela a esposa.

Vasil, que não conta como teve os membros amputados, afirmou ao The Daily Beast que decidiu se alistar no momento em que ouviu sobre a guerra no país.

“Eu amo meu país. Seja lá qual for o obstáculo que enfrento, eu os superarei para defender a Ucrânia. [Meu país] me colocou de pé ao me ajudar a ter as próteses, me ofereceu uma pensão, mesmo que modesta, mas ela existe”, disse o orgulhoso soldado.

Últimas