Internacional Moçambique recebe US$ 118 milhões do FMI após ciclone Idai

Moçambique recebe US$ 118 milhões do FMI após ciclone Idai

Dinheiro será usado ajudar país a reconstruir a infraestrutura. Tempestade passou também pelo Malaui e Zimbábue e deixou mais de mil mortos

Reuters
Ciclone Idai destruiu parte de Moçambique em março

Ciclone Idai destruiu parte de Moçambique em março

Foto: Siphiwe Sibeko/Reuters - 21.3.2019

O Fundo Monetário Internacional (FMI) dará a Moçambique uma linha de crédito de 118,2 milhões de dólares para ajudar o país a reconstruir a infraestrutura após um ciclone devastador que matou centenas de pessoas e arrasou vilas inteiras, informou a instituição nesta sexta-feira (19).

Mais de 1 mil pessoas foram mortas por tempestades em Moçambique, Zimbábue e Malaui após o pior ciclone em décadas assolar o leste da costa do oceano Índico em março com ventos devastadores de até 170 km/h.

Fortes enchentes provocadas por chuvas torrenciais e ventos que atingiram vilarejos e cidades, especialmente na cidade portuária de Beira, em Moçambique, deixaram o país desesperado por dinheiro para iniciar seu plano de recuperação.

O Banco Mundial estima que os países afetados precisarão de mais de 2 bilhões de dólares para se recuperar.

O plano de resposta humanitária de 337 milhões de dólares de Moçambique, largamente composto de um apelo de 281 milhões de dólares após a passagem do ciclone, engloba apenas 23 por cento dos fundos necessários.

"A assistência financeira visa cobrir grandes lacunas orçamentárias e de financiamento externo que estão surgindo das necessidades de reconstrução após o ciclone Idai, que causou significativa perda de vida e danos à infraestrutura", disse o FMI.

Moçambique também está enfrentando uma epidemia de cólera depois que o ciclone destruiu unidades de abastecimento de água.

A cólera é endêmica a Moçambique, que tem sofrido surtos regulares ao longo dos últimos cinco anos. Cerca de 2 mil pessoas foram infectadas no último surto, que acabou em fevereiro de 2018, segundo a Organização Mundial da Saúde.

Últimas