Internacional No Sudão, 29 já morreram em protestos contra presidente

No Sudão, 29 já morreram em protestos contra presidente

Manifestações contra o presidente Omar al Bashir começaram no fim do ano passado e já causaram dezenas de mortes, alertam entidades

No Sudão, 29 já morreram em protestos contra presidente

Manifestações contra Omar al Bashir já mataram 29 pessoas desde dezembro

Manifestações contra Omar al Bashir já mataram 29 pessoas desde dezembro

Philip Dhil / EFE / Arquivo

Aumentou para 29 o número de mortos nos protestos que ocorrem no Sudão desde dezembro do ano passado para pedir a renúncia do presidente Omar al Bashir, segundo anunciou nesta quinta-feira a Procuradoria Geral do país.

O presidente do Comitê de Investigação dos Protestos da Procuradoria, Amre Mohammed Ibrahim, informou em entrevista coletiva que o número de mortos já chega a 29. Até 12 de janeiro, 24 vítimas tinham sido confirmadas.

Ibrahim comentou que nas manifestações desta quinta-feira no distrito de Omdurman, vizinho à capital Cartum, morreu um jovem de 24 anos, mas não revelou mais detalhes do episódio.

O número oficial está abaixo dos mais de 40 mortos que, segundo cálculos da organização não governamental Anistia Internacional e grupos sudaneses independentes, são resultado da repressão violenta das manifestações.

As forças de segurança sudanesas dispersaram centenas de manifestantes com gás lacrimogêneo em diferentes bairros da capital e em cidades vizinhas, disseram testemunhas à Agência Efe.

A Associação de Profissionais Sudaneses, que lidera as manifestações, declarou no Facebook que foram organizados "mais de 30 protestos" em todo o país, os quais considerou os "mais gloriosos" desde que começaram as passeatas no Sudão.

Os protestos acontecem quase diariamente em vários pontos do Sudão desde 19 de dezembro, quando começaram devido à escassez de produtos básicos no mercado e o encarecimento dos mesmos, mas geraram um movimento contra o governo.